Portal de Conferências da IMED, VII Semana Acadêmica de Odontologia

Tamanho da fonte: 
AVALIAÇÃO DA ANSIEDADE FRENTE AO TRATAMENTO ODONTOLÓGICO EM ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE NOVA ARAÇÁ
Priscila F. Zanetti, Michele Portilio, Lilian Rigo

Última alteração: 2017-11-03

Resumo


Introdução: O medo e a ansiedade ao tratamento odontológico gera uma maior percepção de dor, o que pode causar um impacto negativo sobre o atendimento odontológico ou mesmo ausência de visitas ao dentista.

 

Objetivo: O objetivo do presente estudo foi avaliar o grau de ansiedade frente ao tratamento odontológico em escolares do Ensino Médio do município de Nova Araçá/RS, a partir da escala de Corah e verificar a influência de variáveis demográficas e de percepção com o dentista na ansiedade.

 

Materiais e métodos: O presente estudo tem abordagem quantitativa, cujo delineamento é de corte transversal. A amostra foi composta por todos os 153 alunos do Ensino Médio de 14 a 19 anos (106 alunos da Escola Estadual e 47 da Escola Particular em Nova Araçá), sendo considerada uma amostra censitária deste grupo de escolares. Para avaliação do grau de ansiedade foi utilizada a escala de Corah, composta por 4 perguntas, cada uma com 5 alternativas de respostas, cada alternativa tem pontuação de 1 a 5. Além disso, foi realizado um questionário para a coleta dos dados demográficos. O projeto foi aprovado pleo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade IMED, sob nº 2.014.444

 

Resultados: A maioria dos escolares apresentou-se levemente ansioso (43,8%). Verificou- se que a maioria dos pesquisados relataram estar bem no dia anterior ao procedimento odontológico (78,4%) e relaxados após o procedimento de anestesia (44,4%). A partir da análise   estatística   realizada,   verificaram-se   associações   entre   a   variável   desfecho (ansiedade ao tratamento odontológico) e as variáveis de exposição (sexo e satisfação com o dentista) p<0,05. As mulheres apresentaram-se mais ansiosas em relação aos homens (71,4%; p=0,03) e os participantes que estão insatisfeitos com o dentista apresentam maior ansiedade (81%; p<0,01).

 

Conclusão: Foi possível concluir que os escolares são levemente ansiosos, tendo mais medo de sentir dor, porém, a maioria deles frequenta o dentista a cada três meses. As mulheres são mais ansiosas ao tratamento odontológico e a insatisfação com o dentista está relacionada ao sentimento de ansiedade.

 


Palavras-chave


Ansiedade ao tratamento odontológico. Medo de dentista. Odontologia.