Portal de Conferências da IMED, VII Semana Acadêmica de Odontologia

Tamanho da fonte: 
PRESENÇA DE CANDIDÍASE ORAL E FUNGOS DO GÊNERO Candida EM PACIENTES SUBMETIDOS À QUIMIOTERAPIA
Jaqueline Zamarchi, Ana Paula Filippi, Michele Portilio, Eliane Gaio, Lilian Rigo, Clarice Sabadin

Última alteração: 2017-11-03

Resumo


Introdução: As neoplasias malignas são a segunda causa de morte por doença no Brasil e no mundo. Nas últimas décadas, o registro brasileiro de câncer tem acrescido o número de novos casos, ressaltando a importância da doença e seu impacto social e econômico. A cura para essa doença é difícil e a quimioterapia vem sendo a opção de escolha no seu tratamento. Como essas drogas envolvem o uso de substância tóxicas e não possuem especificidade, agridem as células tumorais e também os tecidos saudáveis, resultando em uma série de efeitos colaterais, entre eles a vulnerabilidade a infecções.

Objetivo: Investigar a presença de candidíase e fungos do gênero Candida na cavidade oral de pacientes submetidos à tratamento quimioterápico no Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital da Cidade de Passo Fundo.

Materiais e Métodos: Foi preenchida uma ficha, onde foram colhidas informações a respeito dos pacientes que se encontravam em tratamento quimioterápico. Exame clínico intraoral foi realizado em 160 pacientes para diagnosticar a presença de candidíases e após, foi coletado material da mucosa com swab estéril, para verificar a presença de fungos do gênero Candida. Após a coleta, o material da cavidade oral foi semeado em Ágar Sabourand acrescido de Cloranfenicol, incubadas em estufa a 25°C e observadas em 24 e 48h.

Resultados: Dos 160 pacientes investigados, um deles apresentou candidíase oral, em 88 (55%)  deles  houve  crescimento  do  fungo  e  72  (45%)  não  ocorreu  crescimento  do microrganismo, além disso 120 (75%) faziam uso de algum tipo de prótese dentária e 40 (25%) não utilizavam prótese.

Conclusão: Com  base nos resultados  obtidos neste  estudo, foi  possível  verificar que, possivelmente, os efeitos da quimioterapia estão relacionados com o aparecimento de infecções fúngicas nos pacientes analisados, fato tal que que demonstra ser necessária a atuação do profissional da odontologia dentro da equipe multidisciplinar do tratamento antineoplásico, realizando avaliações estomatológicas e dando ao paciente condições de ser submetido às modalidades terapêuticas com as melhores taxas de cura, prevenindo ou reduzindo os efeitos colaterais.


Palavras-chave


Neoplasias malignas; Quimioterapia; Candidíase oral.