Portal de Conferências da IMED, X Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e IX Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação da IMED 2016

Tamanho da fonte: 
ESTOMATITE PROTÉTICA EM IDOSOS DE UMA CASA DE CONVIVÊNCIA DO MUNÍCIPIO DE TAPEJARA-RS
Simone Sineide Bergamin, Michele De Conto Ferreira, Clarice Elvira Saggin Sabadi

Última alteração: 2016-07-26

Resumo


Introdução: A mucosa oral pode desenvolver diversas patologias e muitas delas estão relacionadas ao uso de próteses removíveis, que possuem a função reabilitadora, mas, ao mesmo tempo, podem agir como um agente irritante aos tecidos moles da cavidade oral.

Objetivo: A presente pesquisa teve como objetivo verificar a prevalência de estomatite protética em pacientes idosos em uma casa de convivência no município de Tapejara-RS.

Metodologia: O estudo teve uma abordagem quantitativa, tendo um delineamento de corte transversal. A amostra foi composta por 46 idosos de ambos os gêneros que frequentavam regularmente este local, sendo na sua maioria do gênero feminino 30 (65,22%). A coleta dos dados ocorreu através de exame clínico e coleta de material para análise. A análise foi estatística, descritiva e analítica da prevalência de estomatite protética em pacientes que faziam uso de próteses dentárias removíveis.

Resultados: Os resultados demonstraram que 15 (50%) pacientes do gênero feminino apresentavam estomatite protética visível e 10 (62,50%) pacientes do gênero masculino apresentavam a lesão. No que se refere as condições de higiene da prótese, 14 (30,43%) foram classificadas como ruim, 15 (32,61%) em estado regular, 16 (34,78%) apresentavam-se em bom estado e somente 01 (2,17%) possuía uma excelente condição. Quando relacionado estomatite protética e levedura, foi observado que 12 (48%) dos que apresentavam lesão em palato apresentaram também levedura em placas e os demais (52%) apresentavam lesão, mas ausência de levedura. 13 (61,90%) pacientes não apresentavam estomatite protética, mas apresentaram levedura e apenas 8 (38,10%) não apresentaram levedura e nem estomatite protética visível.

Conclusão: Concluiu-se que o índice de estomatite protética visível é alto, o grau de higiene da maioria das próteses foi classificado como regular e, quando relacionou-se estomatite protética e levedura, não foi possível encontrar correlação entre a lesão e a presença dos fungos.


Palavras-chave


Estomatite, Lesões Bucais, Prótese Dentarias,

Referências


ARNAUD, R. R. et al. Estomatite Protética: Prevalência e Correlação com Idade e Gênero. Revista Brasileira de Ciência da Saúde, João Pessoa, v.16, n.1, p. 59-62, set. 2012.