Portal de Conferências da IMED, X Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e IX Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação da IMED 2016

Tamanho da fonte: 
A PROVOCAÇÃO DE MUDANÇAS
Alessandra Dallamaria, Thaise Nara Graziottin Costa

Última alteração: 2016-07-20

Resumo


O presente pôster tem por objetivo demonstrar a diferença entre o papel do judiciário e da mediação, a qual busca a aproximação das partes, através do diálogo, escuta ativa, conduzindo os participantes a uma satisfação para ambos. Ainda, faz-se necessário que os interessados estejam abertos a mudanças.

Diferentemente dos processos judiciais, onde se busca identificar um culpado, havendo a presença de um julgador, os processos de mediação, estão voltados a identificar os reais interesses das partes, permitindo que o mediador ajude-os a encontrar uma solução, sendo que as sugestões ofertadas deverão partir única e exclusivamente dos interessados, devendo o mediador manter a imparcialidade e neutralidade diante dos fatos.

Compreende-se que o processo de mediação é essencial como um primeiro passo na tentativa de soluções de conflitos. São inúmeras às vezes em que os interessados necessitam apenas serem ouvidos.


Palavras-chave


MEDIAÇÃO

Referências


AZEVEDO, André Gomma de (Org.). Manual de Mediação Judicial. 5ª Ed. Brasília/DF: Conselho Nacional de Justiça, 2015;


ROSENBERG, Marshall B. Comunicação não-violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais. São Paulo: Ágora, 2006;


URY, William. O poder do não positivo: como dizer não e ainda chegar ao sim. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.


Texto completo: PDF