Portal de Conferências da IMED, X Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e IX Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação da IMED 2016

Tamanho da fonte: 
Cárie e Fluorose dentária em escolares do município de David Canabarro
Lais Oliveira Vazzoler, Graziela Oro Cericato

Última alteração: 2016-07-26

Resumo


Introdução: A cárie dentária tornou-se um problema de saúde pública, devido à dor e ao sofrimento causados, tendo impacto na qualidade de vida dos indivíduos. Nas últimas décadas a literatura relata um declínio da cárie dentária sendo um dos fatores responsáveis por esta diminuição o uso de flúor, porém, quando o flúor é usado em excesso na prevenção ou no tratamento da cárie dentária, pode ocasionar aumento da quantidade de flúor na corrente sanguínea, alterando a mineralização do dente em formação, e consequentemente causando a fluorose dentária.

Objetivo: O presente estudo teve como objetivo verificar os problemas bucais na população entre 11 e 13 anos do município de David Canabarro (RS).

Metodologia: O delineamento da pesquisa foi do tipo transversal com abordagem quantitativa. A amostra foi composta por 105 crianças estudantes das escolas estaduais e municipais. Realizou-se um exame clínico para avaliar o critério cárie embasado no índice CPOD e para fluorose, com base no índice de Dean, ambos em consonância com a Organização Mundial de Saúde (OMS). O exame intraoral foi realizado em 69 crianças, pois 26 estavam em tratamento ortodôntico. Também foi aplicado um questionário para crianças e seus responsáveis ambos adaptados do Estudo das Condições de Saúde Bucal no Brasil (SB Brasil 2000). O exame clínico foi conduzido com auxilio de uma lanterna, espelhos bucais, sondas e palitos de picolé em sala de aula.

Resultados: Pôde-se observar que 94 (89,5%) crianças possuíam informações de como evitar a cárie dentária e o CPOD encontrado foi de 2,24. Em relação a fluorose dentária 45 (57%) participantes não apresentavam fluorose, 18 (23%) crianças tinham o nível questionável, 8 (10%) alunos fluorose muito leve, 7 (9%) apresentavam fluorose leve e 1 (1%) fluorose moderada. Não houve correlação estatística entre as variável CPOD e frequência de ingestão de doce, número de pessoas na família, escolaridade dos responsáveis, renda familiar, como classifica sua saúde bucal e a variável fluorose com quantidade creme dental, número de pessoas na família, tempo de uso de flúor (p>0,05).

Conclusão: O presente estudo concluiu que a prevalência de cárie nos escolares pesquisados foi considerada baixa de acordo com OMS. Em relação a fluorose dentária, o estudo revelou prevalência e severidade baixa, com predominância do grau questionável, não implicando risco a saúde dos indivíduos.


Palavras-chave


Cárie Dentária, Fluorose Dentária, Saúde Bucal.

Referências


SCABAR, L. F. et al. O creme dental fluoretado (500 ppm F-) e o risco de fluorose dentária. Rev Inst Ciênc Saúd.,v.22, n.4, p.305-309, 2004.

GUSHI, L. L. et al. Cárie dentária e necessidades de tratamento em adolescentes do estado de São Paulo, 1998 e 2002. Rev Saúde Pública., v. 42, n. 3, p. 480-486, 2008.

FREIRE, M. C. M. et al. Determinantes individuais e contextuais da cárie em crianças brasileiras de 12 anos em 2010. Rev Saúde Pública., v. 47, n. 3, p.40-49, 2013.

CARVALHO, R. W. F. et al. Estudo da prevalência da fluorose dentária em Aracaju. Ciência & Saúde Coletiva., v. 15, n. 1, p.1875-1880, 2010.

BALTAZAR, M. M. M. et al .Levantamento das condições de saúde bucal de crianças e adolescentes das comunidades rurais atendidos em unidade móvel de saúde no oeste do Paraná.  UNOPAR Cient  cient Biol., Paraná, v.13, n.4, p. 61-257, 2011

AMARAL, R. C. et al. Cuidados odontológicos e fatores associados em escolares do município de Indaiatuba – SP. Arq Odontol., Belo Horizonte, v. 49, n.1, p. 39-44, jan/mar, 2013.