Portal de Conferências da IMED, X Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e IX Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação da IMED 2016

Tamanho da fonte: 
O SOFRIMENTO ANIMAL COMO OBJETO DA CRIMINOLOGIA
Karine Agatha França, Mariangela Matarazzo Fanfa Colognese, Marília de Nardin Budó

Última alteração: 2016-07-26

Resumo


O modo de produção capitalista tem colidido frontalmente com a saúde do sistema ecológico, por exploração desenfreada dos recursos naturais e da poluição. Muitos são os atores que lucram com esse cenário, sobressaindo-se as grandes corporações. Ademais de causarem danos irreparáveis ao meio ambiente e à vida humana, essas entidades têm garantida a própria imunidade, e o direito é montado para manter sua irresponsabilização. Estudar os maus feitos das corporações é um dos objetos do olhar criminológico estendido sobre os poderosos, com suas formas de criminalidade que alcançam um indeterminado número de sujeitos e ecossistemas. Este trabalho tem por objetivo analisar de que maneira os abusos cometidos contra animais pela indústria correspondem à categoria do dano social para constituir-se como objeto de uma criminologia crítica. Através do método dialético, parte-se das contradições envolvidas no discurso criminológico tradicional, para estabelecer a necessidade de substituição do conceito de crime pelo de dano social. Em seguida, estuda-se a maneira como a criminologia crítica, para além de sua emancipação do racismo e do patriarcalismo, também deve deixar o antropocentrismo, mirando a uma compreensão global dos danos sociais no sistema capitalista.

Palavras-chave


Criminologia crítica; crimes dos poderosos; dano social; direitos dos animais; crimes corporativos

Referências


BARAK, Gregg. On the visibility and neutralization of the crimes of the powerful and their victims. In: ______ (ed.). The Routledge International Handbook of the Crimes of the Powerful. New York: Routledge, 2015.

 

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

 

BARATTA, Alessandro. Direitos Humanos: entre a violência estrutural e a violência penal. Fascículos de Ciências Penais. Porto Alegre, vol. 6, n. 2, p. 44-61, abril-junho, 1993.

 

BEIRNE, Piers. Criminology and animal studies: A sociological view. Society and Animals, v. 10, n. 4, p. 381-386, 2002.

 

BEIRNE, Piers; SOUTH, Nigel. Greening Criminology. In: Greening the Academy. SensePublishers, 2012.

 

BEIRNE, Piers; SOUTH, Nigel. Issues in Green Criminology: confronting harms against environments, humanity and other animals. New York: Routledge, 2013.

 

BRISMAN, Avi; SOUTH, Nigel. Horizons, issues and relationships in green criminology. In: BRISMAN, Avi; SOUTH, Nigel. Routledge International Handbook of green criminology. New York: Routledge, 2013.

 

BRÜGGER, Paula. Educação ou adestramento ambiental? Letras Contemporâneas, 1999.

 

______. Nós e os outros animais: Especismo, Veganismo e Educação Ambiental. Linhas Críticas, v. 15, n. 29, 2009.

 

BUDÓ, Marília de Nardin. O caso do amianto no brasil sob a ótica da criminologia: invisibilidade e dano social. In: TRINDADE, André Karam; ESPINDOLA, Angela Araujo da Silveira; BOFF, Salete Oro (orgs.). Direito, democracia e sustentabilidade. Passo Fundo: IMED, 2015. p. 253-286.

 

BUDÓ, Marília de Nardin. Criminologia e dano social: a efetivação da sustentabilidade para além do direito penal. In: TRINDADE, André Karam; ESPINDOLA, Angela Araujo da Silveira; BOFF, Salete Oro (orgs.). Direito, democracia e sustentabilidade. Passo Fundo: IMED, 2014.

 

DUARTE, André. Foucault e as novas figuras da biopolítica: o fascismo contemporâneo. Para uma vida não fascista, p. 35-50, 2009.

 

FERRAJOLI, Luigi. Criminología, Crímenes Globales y Derecho Penal. El Debate Epistemológico em la Criminología Contemporánea. In: RIVERA BEIRAS, Iñaki (Coord.). Delitos de los Estados,de los Mercados y daño social. Debates en Criminología crítica y Sociología jurídico-penal. Barcelona: Anthropos, 2014.

 

FURTADO, Fred. Ciência hoje. Rio de Janeiro. 2012. Disponível em:<http://cienciahoje.uol.com.br/revista-ch/2012/296/sobre-consciencia-em-animais>. Acesso em 20 abr. 2016.

 

HALL, Matthew. Exploring green crime – introducing the legal, social & criminological contexts of environmental harm. New York: Palgrave, 2015.

 

HILLYARD, Paddy; TOMBS, Steve. From crime to social harm. Crime, Law and Social Change. 2007, vol. 48, p. 9–25.

 

______. Más allá de la criminología. Revista Crítica Penal y Poder, Barcelona, n. 4, p. 175-196, marzo. 2013.

 

LYNCH. Michael J. Comparing environmental and criminal victimization and considering crime from an eco-city perspective. In: BRISMAN, Avi; SOUTH, Nigel. Routledge International Handbook of green criminology. New York: Routledge, 2013.

 

______. Victims, criminal process and environmental justice. University of Sheffield,2012. Disponível em:<http://www.environmentalcrimeseminar.com/fileadmin/ecs/afbeeldingen/speakers/2012-09-17>. Acesso em: 17 abr 2016.

 

MARX, Karl. O capital – crítica da economia política. Volume I. Livro Primeiro. O processo de produção do capital. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

 

NACONECY, Carlos Michelon. Ética & animais: um guia de argumentação filosófica. EDIPUCRS, 2006.

NATALI, Lorenzo. Green criminology: Prostettive emergenti sui crimini ambientali. Torino: G. Giapichelli, 2015. NURSE, Angus. Animal harm: perspectives on why people harm and kill animals. England: Ashgate, 2013. ­­­______. An introduction to green criminology & environmental justice. London: SAGE Publications Ltd., 2016.

 

POTTER, Gary R. The criminogenic effects of environmental harm: bringing a ‘green’ perspective to mainstream criminology.In: KLUIN, Marieke; SPAPENS, Toine; WHITE, Rob. Environmental crime and its victims: perspectives within green criminology. Farnham: Ashgate, 2014.

 

RYDER, Richard. All beings that feel pain deserve human rights – Equality of the species is the logical conclusion of post-Darwin morality. 2005. Disponível em:<http://www.guardian.co.uk/uk/2005/aug/06/animalwelfare>. Acesso em 19 abr. 2016.

 

SINGER, Peter. Libertação animal. São Paulo: Lugano, 2004.

 

SOLLUND, Ragnhild. Animal abuse, animal rights and species justice. American Society of Criminology 69th Annual Meeting. Atlanta: American Society of Criminology. 2013.

 

TOMBS, Steve; WHYTE, David. The Corporate Criminal: Why Corporations Must Be Abolished. New York: Routledge, 2015.

 

WHITE, Rob. Crimes Against Nature: Environmental Criminology and Ecological Justice. New York: Routledge, 2008

 

WHITE, Rob; SOUTH, Nigel. The future of green criminology: Horizon scanning and climate change. In: American Society of Criminology Annual Meeting, Atlanta Marriott Marquis. 2013.

 

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Em busca das penas perdidas: o sistema penal em questão. Rio de Janeiro: Revan, 1991.

 

 


Texto completo: PDF