Portal de Conferências da IMED, XIV Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XIII Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2020

Tamanho da fonte: 
PRÓTIPO SINALÉTICO DE OBSTÁCULOS: INCLUSÃO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL EM AMBIENTES INTERNOS
Alana Arena Schneider, Carolina Werner Guterres, Dominiki Rossi Ceolin, Letícia Muller, Matheus Dal Magro Zanchett, Thaísa Leal da Silva, Andréa Quadrado Mussi

Última alteração: 2020-10-27

Resumo


Inclusão social é um tema bastante discutido e a criação e aplicação de normativas em especial às Pessoas com Deficiência Visual dentro de ambientes educacionais tem intensificado muito nos últimos anos. Entretanto ainda falhamos no quesito de informação de obstáculos a este público quando dentro de ambientes internos, causando assim muitos transtornos acidentais a estas pessoas. O objetivo deste trabalho é propor uma solução em forma de protótipo sinalético, que represente em escala reduzida ambientes reais, aumentando assim a autonomia na mobilidade das pessoas com deficiência visual. Uma forma de representação, que através do tato os usuários reconhecem o ambiente onde devem acessar, gerando mais autonomia e confiança para a mobilidade. O protótipo representa qualquer ambiente real que pode mudar de layout. A metodologia aplicada foi Codesign e um Workshop com questionários onde obteve-se êxito na melhoria de autonomia e segurança para os usuários com deficiência visual dentro de ambientes internos flexíveis. Além disso, confirmou-se que a memorização através do tato no protótipo representativo de ambientes melhorou o tempo de percurso que os usuários realizaram com o protótipo.

Palavras-chave


Sinalética; Pessoas com deficiência visual; Arquitetura inclusiva.

Referências


ABNT. Associação brasileira de normas técnicas. Norma Brasileira NBR: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. NBR 9050, de 11 de outubro de 2015.

ABNT. Associação brasileira de normas técnicas. Norma Brasileira NBR: Acessibilidade, Comunicação e prestação de serviços. NBR 15599, de 25 de setembro de 2008.

ABNT. Associação brasileira de normas técnicas. Norma Brasileira NBR: Acessibilidade, sinalização tátil no piso. Diretrizes para elaboração de projetos e instalação. NBR 16537, de 26 de junho de 2016.

ALPERSTEDT, Carlos A.; ROLT, Carlos R.; ALPERSTEDT, Graziela. Acessibilidade e Tecnologia na Construção das Cidades Inteligentes. Revista de Administração Contemporânea. Rio de Janeiro, vol. 22, n. 2, p. 291-310, março/abril, 2018.

BELIR, Ozlem; ONDER, Deniz Erinsel. Accessibility in public spaces:
spatial legibility for visually impaired people.
Proceedings of the Ninth International Space Syntax Symposium. Edited by Y O Kim, H T Park and K W Seo, Seoul: Sejong University, 2013.

BICAS, Harley E. A. Acuidade Visual: medidas e notações. 2002.

BRASIL. Constituição da república federativa do Brasil de 1988.

CAIXETA, Michele Caroline Bueno F.; FABRÍCIO, Márcio Minto. Métodos e instrumentos de apoio ao codesign no processo de projeto de edifícios. Revista Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 111-131, jan./mar. 2018.

CESARO, Sara Rossato de; SILVA, Luísa Batista de Oliveira; MUSSI, Andréa Quadrado. Maquete tátil de ambiente interno: experiência com impressora 3d para pessoas com deficiência visual. Trabalho apresentado na Mostra de Iniciação Científica MIC, IMED, Passo Fundo, 2019.

CENSO. Cartilha do Censo 2010. Pessoas com Deficiência. Luiza Maria Borges Oliveira. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) / Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD) / Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência. Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012.

COSTA, Joan. Design para os olhos: marca, cor identidade e sinalética. 1.ª ed. - Lisboa: Dinalivro, 2011.

COSTA, Joan. Senaletica. Noviembre 2007. Disponível em: <http://catedranaranja.com.ar/wp/wp-content/uploads/Senaletica_Costa.pdf>. Acesso em: 15 de Jul. de 2019.

COSTA, Angelina Dias Leão; SANTOS, Mariana de Souza Siqueira. A orientação físico-espacial de pessoas com deficiência visual: conhecendo o usuário. Revista nacional de gerenciamento de cidades, v. 03, n. 15, p. 193-211, 2015.

DESTEFANI, Andrea; BERNARDI, Núbia; D’ABREU, João Vilhete Viegas. Verificação da usabilidade de instrumento de leitura tátil e sonoro representativo de espaço arquitetônico da Biblioteca Central Cesar Lattes da UNICAMP (Relatório de projeto). Campinas, 2009.

DIAS, Josué Pereira. Projeto de sinalética para deficientes visuais focado em escolas de ensino fundamental e médio. Centro Universitário Univates, Lajeado, 2017.

FARIA, Ana Lúcia; PALHARES, Ana Lúcia; PALHARES, Mariana. O espaço físico como um dos elementos fundamentais para uma pedagogia infantil. Campinas: 4ª ed. p.69-70. 2000.

GIBSON, D. The Wayfinding Handbook. New York: Princeton Architectural Press. 2009.

JALES, Antonia Carolina de Andrade. Avanços e desafios das políticas públicas de inclusão para pessoas com deficiência. Revista Includere: III SEADIS. vol. 2, n. 1, 20 de junho, 2016.

LYNCH, Kevin. The image of the city. Publication of the
Joint Center for Urban Studies.
Massachusetts Institute of Technology Cambridge. Cambridge.  1960.

MILAN, Luis Fernando. Maquetes táteis: infográficos tridimensionais para a orientação espacial de deficientes visuais. Parc. Pesquisa em Arquitetura e Construção, Universidade Estadual de Campinas. v. 1, n. 2, p.99-124, 1 jun. 2008.

MILLS, Criss B. Projetando com maquetes. Criss B. Mills; tradução de Alexandre Salvaterra –2. Ed. –Porto Alegre: Bookman, 2007.

MUSSI, Andréa Quadrado; ROMANINI, Anicoli; LANTELME, Elvira; MARTINS, Marcele Salles. Arquitetura inclusiva: a planta tátil como instrumento de projeto colaborativo com portadores de deficiência visual. XX Congreso de la Sociedad Iberoamericana de Gráfica Digital Blucher Design Proceedings, v.3. p. 387-393. São Paulo. 2016

OBERHOFER, C. Computergestützte Rekonstruktion der Synagoge in Wien Währing. Thesis. Vienna University of Technology. 2005.

WHO. Organización Mundial de la Salud 2020: Informe mundial sobre la visión. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/331423/9789240000346-spa.pdf. Acesso em: 01 de Jul. 2020.

PUPO, Deise Tallarico; MELO, Amanda Meincke; FERRÉS, Sofia Pérez. Acessibilidade: discurso e prática no cotidiano das bibliotecas. Campinas: Unicamp, 2006.

SANTOS, Vivian; TORRES, Josiane Pereira. Conhecendo a deficiência visual em seus aspectos legais, históricos e educacionais. Educação, Batatais, v. 5, n. 2, p. 33-52, 2015.

SCHERER, Fabiano de Vargas. Design Gráfico e Ambiental: Revisão e Definição de Conceitos. 11º P&D Design Congresso Brasileiro de pesquisa e Desenvolvimento em Design, Gramado, 2014. Disponível em:<https://ndga.files.wordpress.com/2014/10/pd-2014_design-grc3a1fico-ambiental-final.pdf>. Acesso em: 15 de Jul. de 2019.


Texto completo: PDF