Portal de Conferências da IMED, XIV Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XIII Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2020

Tamanho da fonte: 
VIOLÊNCIA CONJUGAL E SOFRIMENTO DO HOMEM A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA RELACIONAL SISTÊMICA
Bruna Sorensen, Claudia Mara Bosetto Cenci

Última alteração: 2020-10-27

Palavras-chave


violência; conjugalidade; masculinidades; psicologia sistêmica

Referências


Brasil. (2006). Lei 11.340. Dispõe sobre mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher e dá outras providências. Recuperado de:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm

Casimiro, C. (2008). Violências na conjugalidade: a questão da simetria do género. Análise Social, 43 (3), 579-601. Recuperado de: http://www.scielo.mec.pt/pdf/aso/n188/n188a05.pdf

Cezario, A. C., Lourenço, L. M. (2013). Violência contra o homem: uma análise bibliométrica. Gerais: Revista institucional de Psicologia, 6 (1), jan-jun, 144-156. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/gerais/v6n1/v6n1a11.pdf

Chan, Ko Ling. (2011). Gender differences in self-reports of intimate partner violence: A review. Aggression and Violent Behavior,16, 167–175. doi: 10.1016/j.avb.2011.02.008

Conceição, T.B., Bolsoni, C.C., Lindner, S.R., & Coelho, E.B.S. (2018).  Assimetria e simetria de gênero na violência por parceiro íntimo em pesquisas realizadas no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 23(11), 3597-3607. doi:10.1590/1413-812320182311.239020161

Giffin, K. (2005). A inserção dos homens nos estudos de gênero: contribuições de um sujeito histórico. Ciência & Saúde Coletiva, 10(1), 47-57. doi: 10.1590/S1413-81232005000100011

Hines, D.A., Brown, J. Dunning, E. (2007) Characteristics of Callers to the Domestic Abuse Helpline for Men. Journal of Family Violence, 22, 63–72.
doi:  10.1007/s10896-006-9052-0

Machado, C., Matos, M., Saavedra, R., Cruz, O., Antunes, C., Pereira, M., Rato, A., Pereira, I., Carvalho, C., Capitão, L. (2009). Crenças e atitudes dos profissionais face à violência conjugal: estudos com profissionais de saúde, polícias e professores. Estudos Acta Med Port, 22(6), 735-742. Recuperado de: http://hdl.handle.net/1822/30941

Machado, A. & Matos, M. (2012). Homens de quem não se fala: as vítimas esquecidas da violência na intimidade. Psiquiatria, Psicologia e Justiça.V1.1. Recuperado em: http://hdl.handle.net/1822/30893

Oliveira, K. L. C de; Gomes, R. (2011). Homens e violência conjugal: uma análise de estudos brasileiros. Ciência & Saúde Coletiva, 16(5):2401-2413

Organización Mundial de la Salud (2005). Estudio multipaís de la OMS sobre salud de la mujer y violencia doméstica contra la mujer : primeros resultados sobre prevalencia, eventos relativos a la salud y respuestas de las mujeres a dicha violencia : resumen del informe. Recuperado de: https://assets-compromissoeatitude-ipg.sfo2.digitaloceanspaces.com/2012/08/OMS_estudiomultipais_resumendelinforme1.pdf

World Health Assembly (1996).  Prevention of violence: a public health priority. Forty-nint World Health Assebly Geneva. Recuperado de: https://www.who.int/violence_injury_prevention/resources/publications/en/WHA4925_eng.pdf

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos (C. M. Herrera, Trad.). (5a ed.). Porto Alegre: Bookman.