Portal de Conferências da IMED, XIV Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XIII Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2020

Tamanho da fonte: 
A NECESSIDADE DE FUNDAMENTAÇÃO E ARGUMENTAÇÃO DAS DECISÕES AUTOMATIZADAS
Sabrina Daiane Staats, Fausto Santos de Morais

Última alteração: 2020-10-27

Palavras-chave


Inteligência Artificial. Dever de fundamentação. Argumentação. Decision Trees. Explainability.

Referências


ASHLEY, Kevin. Artificial Inteligence and Legal Analytics: New tools for Law Practice in digital age. New York: Cambridge University Press, 2017.

ATIENZA, Manuel. Razões do direito: teorias da argumentação jurídica. 3. ed. Tradução de Maria Cristina Guimarães Cupertino. São Paulo: Landy, 2003.

ATIENZA, Manuel. El derecho como argumentación.Barcelona: Ariel, 2006.

BOSTROM, Nick, and Eliezer Yudkowsky. Forthcoming. The Ethics of Artificial Intelligence. In Cambridge Handbook of Artificial Intelligence, edited by Keith Frankish and William Ramsey. New York: Cambridge University Press.

BRANTING, L. Karl; Bruce W. Porter. Rules e Precedents as Complementary Warrants. Proceedings of the Ninth National Conference on Artificial Intelligence, Anaheim, California, July 14-19, 1991.

MARINONI, Luiz Guilherme. Precedentes obrigatórios. Processos Coletivos. Porto Alegre: vol. 2, n. 2, 01 abr. 2011.

TARUFFO, Michelle. Precedente e giurisprudenza, Rivista trimestrale di diritto e procedura civile, 2007, p. 714.

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de direito processual civil: teoria geral do direito processual civil, processo de conhecimento e procedimento comum. 56. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2015. v. 1.

WAMBIER, Teresa Arruda Alvim. Estabilidade e Adaptabilidade como objetivos do direito: civil law e common law. ln: Revista de Processo, São Paulo: Revista dos Tribunais, Vol. 172, ano 34, jun. 2009, p. 129.