Portal de Conferências da IMED, XIV Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XIII Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2020

Tamanho da fonte: 
DEPENDÊNCIA QUÍMICA E PADRÕES FAMILIARES: A REPETIÇÃO DE COMPORTAMENTOS NO USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS
Ádyna Ayana Bruschi, Dirceu Luís Minella, Veronica Candaten Furini, Gabriela Cristina Favero, Mayara Rebelatto, Camila Rosa de Oliveira

Última alteração: 2020-10-27

Palavras-chave


uso de substâncias; álcool; dependência; padrões familiares

Referências


Amaral, R. A. do., Melbergier, A., & Andrade, A. G. de. (2010). Manejo dopaciente com transtornos relacionados ao uso de substânciapsicoativa na emergência psiquiátrica. Revista Brasileira de Psiquiatria,32(2), 1-8. doi:10.1590/S1516-44462010000600007

American Psychiatric Association. (2014). DSM-5: Manual diagnóstico eestatístico detranstornos mentais. Porto Alegre, RS: Artmed.

Bernardy, C. C. F., & Oliveira, M. L. F. de. (2010). O papel das relações familiaresna iniciação ao uso de drogas de abuso por jovensinstitucionalizados. Revista Da Escola de Enfermagem Da USP, 44(1), 11–17.doi:10.1590/s0080-62342010000100002

Botti, N. C. L., Machado, J. S. de A., Tameirão, F. V., Costa, B. T., & Benjamim,M. L. N. (2017). Funcionamento transgeracional de famílias deusuários de crack. Psicologia Argumento, 32(76).doi:10.7213/psicol.argum.32.076.ao01

Brown, S. S. (2015). The Transgenerational Effect of Substance Abuse. HonorsTheses, 114. Recuperado de:https://digitalcommons.andrews.edu/honors/114

Falcke, D. & Wagner, A. (2005) A dinâmica familiar e o fenômeno datransgeracionalidade: definição de conceitos. In: Wagner, A. (Org.). Como se perpetua a família? A transmissão dos modelos familiares. Porto Alegre:EDIPUCRS.

Filizola, C. L. A., Perón, C. de J., Nascimento, M. M. A. do, Pavarini, S. C. I., & Petrilli Filho, J. F. (2006). Compreendendo o alcoolismo na família. Escola Anna Nery, 10(4), 660–670. doi:10.1590/s1414-81452006000400007

Freires, I. D. A. & Gomes, E. M. de A. (2012). O Papel da Família na Prevençãoao uso de Substâncias Psicoativas. Revista Brasileira de Ciências Da Saúde,16(1), 99–104. doi:10.4034/rbcs.2012.16.01.15

Henrique, I. F. S., Micheli, D. de, Lacerda, R. B. de, Lacerda, L. A. de, & Formigoni, M. L. O. de S. (2004). Validação da versão brasileira doteste de triagem do envolvimento com álcool, cigarro e outrassubstâncias (ASSIST). Revista da Associação Médica Brasileira, 50(2), 199-206. https://doi.org/10.1590/S0104-42302004000200039

Lopes, A. P. A. T., Marcon, S. S., & Decesaro, M. das N. (2015). Abuso de bebidaalcoólica e sua relação no contexto familiar. Estudos de Psicologia, 20(1),21–30. doi:10.5935/1678-4669.20150004

Meulewaeter, F., De Pauw, S. S. W., & Vanderplasschen, W. (2019).Mothering, Substance Use Disorders and Intergenerational Trauma Transmission: An Attachment-Based Perspective. Frontiers inPsychiatry, 10. doi:10.3389/fpsyt.2019.00728

Ministério da Saúde. (2019). Consumo abusivo de álcool aumenta 42,9% entre asmulheres. Retrieved Julho 25, 2019, from saude.gov.br

Nichols, M. P., & Schwartz, R. C (2007). Terapia familiar - conceitos emétodos. Porto Alegre, RS: Artmed

Paz, F. M., & Colossi, P. M. (2013). Aspectos da dinâmica da família comdependência química. Estudos de Psicologia (Natal), 18(4), 551-558.doi:10.1590/S1413-294X2013000400002

Scheffer, M., Pasa, G. G., & Almeida, R. M. M. de. (2010). Dependência deálcool, cocaína e crack e transtornos psiquiátricos. Psicologia: Teoria ePesquisa, 26(3), 533–541. doi:10.1590/s0102-37722010000300016

Schenker, M., & Minayo, M. C. de S. (2003). A implicação da família no usoabusivo de drogas: uma revisão crítica. Ciência & Saúde Coletiva, 8(1),299–306. doi:10.1590/s1413-81232003000100022

Vassoler, F. M., Byrnes, E. M., & Pierce, R. C. (2014). The impact of exposure toaddictive drugs on future generations: Physiological and behavioraleffects. Neuropharmacology, 76, 269–275.doi:10.1016/j.neuropharm.2013.06.016