Portal de Conferências da IMED, XIV Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XIII Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2020

Tamanho da fonte: 
A CRIMINOLOGIA VERDE E O INTERESSE DO ESTADO NA PENALIZAÇÃO DAS EMPRESAS CAUSADORAS DE DANOS AMBIENTAIS AO SOLO
Natália Zanchett, Felipe da Veiga Dias

Última alteração: 2020-10-27

Palavras-chave


Criminologia verde; Política Nacional de Resíduos Sólidos; Danos Sociais e Ambientais

Referências


SARMIENTO, Camilo Ernesto Bernal; CABEZAS, Sebastián; FORERO, Alejandro; RIVERA, Iñaki; VIDAL, Iván. Para além da criminologia. Um debate epistemológico sobre o dano social, os crimes internacionais e os delitos dos mercados. Revista Brasileira de Direito. V.13, n. 3, p. 40-79, Set/Dez. Passo Fundo, 2017.

 

BOEIRA, Luis Francisco Simões; COLOGNESE, Mariângela Matarazzo Fanfa. O papel da criminologia diante da devastação ambiental causada pela criminalidade dos poderosos. Revista Eletrônica Direito e Política. Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI, Itajaí, v.12, n.1, 1º quadrimestre de 2017. Disponível em: <www.univali.br/direitoepolitica>. Acesso em 27 de junho de 2020.

 

DIAS, Felipe da Veiga; BUDÓ, Marília de Nardin . Criminologia verde e a responsabilidade do Estado no esvaziamento do licenciamento ambiental na política nacional do meio ambiente. Meritum. v. 14, n. 1, p. 280-299, Jan./Jun. Belo Horizonte, 2019.

 

FRIEDE, Reis; ARAGÃO, Luciano. Dos danos sociais. Revista da ESMESC. Florianópolis. 2016. Disponível em: <http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgacao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_informativo/bibli_inf_2006/Rev-ESMESC_29.01.pdf>. |Acesso em: 27 de junho de 2020. |acesso em: 27/06/2020

FENKER, Eloi. Impacto ambiental e dano ambiental. Artigo técnico. 2011. Disponível em: <https://d1wqtxts1xzle7.cloudfront.net/5426198/reflexoes_10.pdf?response-content-disposition=inline%3B+filename%3DIMPACTO_AMBIENTAL_E_DANO_AMBIENTAL.pdf&Expires=1593218253&Signature=YBRLAW0Niui-Oh3L9O81O6WS9aldJbtC0IIJe1nBxK8HcxaObGE4EMjxuxzxgoDVxdE1NW-JWwPkWCK9a9WZ2sp7R1aPp0GKVZ~tnIzQ6HY5GM-6HoZUuSCNhz~lbhiDeDrZRicwqyoUzUzOJRuBFQnCK15CX4W05LzKn6~6aUMLpbXC1WwQy0yt4bW~dTuhAI5NRw1FRbGLMTDp7ZihKKJBwcoGVgP3H52UhIF9r1JbmOsZ8RbVtX7Ap35vm~DSWTO9bVkhKJE~z7xwiMsyGcH9ue-kiZH5KriemMan4zcp~VRHg~iKPtXmX52s5UhuoFD18nqoXKMhpD4QLarvDg__&Key-Pair-Id=APKAJLOHF5GGSLRBV4ZA>. Acesso em: 27 de junho de 2020.

 

MILARÉ, Edis. Direito do Ambiente. 2° Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

 

MORATO LEITE, José Rubens. Dano Ambiental: do individual ao coletivo extrapatrimonial. 2 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

 

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Tempo de decomposição do lixo". Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/curiosidades/tempo-decomposicao-lixo.htm. Acesso em 27 de junho de 2020.