Portal de Conferências da IMED, XIV Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XIII Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2020

Tamanho da fonte: 
IMPLICAÇÕES DAS REDES SOCIAIS ON-LINE NO AMBIENTE DE TRABALHO
Aline Ortiz Rauber, Renan Godinho Bitencourt, Claudionor Guedes Laimer

Última alteração: 2020-10-27

Referências


Alméri, T. M., Mendes, A. de C., Martins, L. F., & Luglio, R. G. (2013). A Influência das Redes Sociais nas Organizações. Revista de Administração da Fatea, 7(1), 132–146.

Andreassen, C. S., Torsheim, T., & Pallesen, S. (2014). Predictors of Use of Social Network Sites at Work - A Specific Type of Cyberloafing. Journal of Computer-Mediated Communication, 19(4), 906–921. https://doi.org/10.1111/jcc4.12085

Awolusi, F. (2012). The impacts of social networking sites on workplace productivity. Journal of Technology, Management & Applied Engineering, 28(1), 2–6.

Bennett, J., Owers, M., Pitt, M., & Tucker, M. (2010). Workplace impact of social networking. Property Management, 28(3), 138–148. https://doi.org/10.1108/02637471011051282

Bessi, V. G., Da Rosa Rinker, C. M., Schreiber, D., & Bohnenberger, M. C. (2018). Percepções sobre a utilização de redes sociais pessoais no ambiente de trabalho. Contextus – Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 16(1), 150–181. https://doi.org/10.19094/contextus.v16i1.1054

Capra, F. (2005). As redes do capitalismo global. In As conexões ocultas: ciência para uma vida sustentável (Copolla, M, p. 109–140). São Paulo: Editora Cultrix.

Ciribeli, J. P., & Paiva, V. H. P. (2011). Redes e mídias sociais na internet: realidades e perspectivas de um mundo conectado. Revista Mediação, 13(12).

Donna, C. U., & Silva, A. R. L. da. (2014). Os usos do Facebook nas manifestações dos simbolismos organizacionais. REAd. Revista Eletrônica de Administração (Porto Alegre), 20(3), 681–712. https://doi.org/10.1590/1413-2311.0282013.42999

Goosen, R. J., & Holler, S. A. (2009). E-empreendedor. Elsevier Brasil.

Granovetter, M. (1973). The Strength of Weak Ties. The American Journal ofSociology, 78(6), 1360–1380.

Haythornthwaite, C., Wellman, B., & Mantei, M. (1995). Work relationships and media use: A social network analysis. Group Decision and Negotiation, 4(3), 193–211. https://doi.org/10.1007/BF01384688

Kava, L., & Botelho-Francisco, R. E. (2018). A inovação nas redes sociais digitais: discurso e prática em empresas de e-service. AtoZ: novas práticas em informação e conhecimento, 7(2), 34–38. https://doi.org/10.5380/atoz.v7i2.67244

Kenis, P., & Oerlemans, P. (2008). The social network perspective: understanding the structure of cooperation. In The Oxford Handbook of Inter-Organizational Relations (p. 289–312). Oxford: Oxford Press.

Lodi, P., & D’Arisbo, A. (2019). A interferência das redes sociais no trabalho cotidiano e para gestão de pessoas: Um estudo de caso múltiplo em indústrias de plásticos de Farroupilha. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 6(2), 25–47. https://doi.org/10.18226/23190639.v6n2.02b

Marteleto, R. M. (2001). Análise de redes sociais - aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, 30(1), 71–81. https://doi.org/10.1590/s0100-19652001000100009

Marteleto, R. M., & Silva, A. B. de O. e. (2004). Redes e capital social: o enfoque da informação para o desenvolvimento local. Ciência da Informação, 33(3), 41–49. https://doi.org/10.1590/s0100-19652004000300006

Medina, J. I. G. (2011). Una definición estructural de capital social. Redes - Revista Hispana para el Análisis de Redes Sociales, 20(6), 132–160.

Shepherd, C. (2011). Does social media have a place in workplace learning? Strategic Direction, 27(2), 3–4. https://doi.org/10.1108/02580541111103882

Silva, E. V. da, & Mendes Filho, L. (2015). Internet e redes sociais no ambiente de trabalho: Uma análise com funcionários do setor hoteleiro da cidade de Natal (Rio Grande do Norte, Brasil). Turismo e Sociedade, 8(2), 321–341. Recuperado de http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/turismo/article/view/39071

Silva, P. C. S. (2017). O impacto do uso de redes sociais no ambiente de trabalho. Vivências e Estudos, 10(5), 71–82.

Soares, W. S., & Cunha, N. C. (2017). A influência das redes sociais nas empresas. Revista GETEC Gestão Tecnologia e Ciências, 6(14), 56–73.

Watts, D. J. (1999). Networks, dynamics, and the small-world phenomenon 1. American Journal of Sociology, 105(2), 493–527. https://doi.org/10.1086/210318

Wu, A., Dimicco, J. M., & Millen, D. R. (2010). Detecting professional versus personal closeness using an enterprise social network site. In Conference on Human Factors in Computing Systems - Proceedings (Vol. 3, p. 1955–1964). New York, New York, USA: ACM Press. https://doi.org/10.1145/1753326.1753622


Texto completo: Sem título