Portal de Conferências da IMED, XIV Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XIII Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2020

Tamanho da fonte: 
Análise da logística de transporte de órgãos e tecidos para fins de transplantação
Mônica Fachini, Jandir Pauli, Joana Catapan

Última alteração: 2020-10-27

Palavras-chave


Logística; Órgãos e tecidos humanos; Transplantação

Referências


Abto, A. B. de T. de Ó. (2009). Diretrizes básicas para captação e retirada de múltiplos órgãos e tecidos da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. Abto. São Paulo.

Almeida, K. C. de, Tipple, A. F. V, Bachion, M. M., Leite, G. R., & Medeiros, M. (2003). Doação de órgãos e bioética: construindo uma interface. Revista Brasileira de Enfermagem, 56(1), 18–23.

Ballou, R. H. (1993). Logística Empresarial. (Atlas, Ed.).

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 9.434, de 4 de fevereiro de 1997. Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. 1997. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/ L9434.htm>. Acesso em: 20 jun. 2020.

Campos, C. J. G. (2004). MÉTODO DE ANÁLISE DE CONTEÚDO: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev Bras Enferm, Brasília (DF), 57(5), 611–614.

Cavalcante, R. B., Calixto, P., & Pinheiro, M. M. K. (2014). ANÁLISE DE CONTEÚDO: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método, 13–18.

Freire, I. L. S., Vasconcelos, Q. L. D. de A. Q. de, Torres, G. de V., Araújo, E. C. de, Costa, I. K. F., & Melo, G. de S. M. (2015). Estrutura, processo e resultado da doação de órgãos e tecidos para transplante. Revista Brasileira de Enfermagem, 68(5), 837–845.

Freitas, A. C. T. de, Matos, D. de M. N. de, Milsted, J. A. T., & Coelho, J. C. U. (2017). Efeitos Do Tempo De Isquemia Fria Sobre Os Enxertos Hepáticos, 30(4), 239–243.

Lira, A. R. (2016). NA CIDADE DE SÃO PAULO.

Mattia, A. L. de, Rocha, A. D. M., Filho, J. P. A. de F., Barbosa, M. H., Rodrigues, M. B., & Oliveira, M. G. de. (2010). Análise das dificuldades no processo de doação de órgãos: uma revisão integrativa da literatura. Revista -Centro Universitário São Camilo, 4(1), 66–74.

Meneses, N. da P., Castelli, I., & Junior, Á. L. C. (2018). Comunicação de morte encefálica a familiares : levantamento com profissionais de saúde Brain death com. Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, 21(1), 192–217.

Moura, L. C., & Silva, V. S. (2014). Manual do núcleo de captação de órgãos: iniciando uma Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes-CIHDOTT. In Manual do núcleo de captação de órgãos: iniciando uma Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes-CIHDOTT (pp. 111-111).

Paura, G. L. (2012). Fundamentos da Logística, 5–109.

Rech,  tatiane H., & Filho, É. M. R. (2007). Entrevista familiar e consentimento. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 19(1), 85–89.

Santos, M. J. dos, Massarollo, M. C. K. B., & Moraes, E. L. de. (2011). Entrevista familiar no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante *, 25(5), 788–794.

Victorino, J. P., Aparecida, C., & Ventura, A. (2017). Doação de órgãos : tema bioético à luz da legislação, 25(1), 138–147.

Victorino, J. P., & Ventura, C. A. A. (2016). Brazilian Journal of Forensic Sciences , Medical Law and Bioethics Bioética e Biodireito: da Doação ao Transplante de Órgãos Bioethics and Biolaw : from Organ Donation to Transplantation. Brazilian Journal of Forencis Sciences, Medical Law and Bioethics, 6(1), 72–83.

Vieira, M. S., & Nogueira, L. T. (2015). O processo de trabalho no contexto da doação de órgãos e tecidos. Revista Enfermagem UERJ, 23(6), 825–831.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto.


Texto completo: Sem título