Portal de Conferências da IMED, XIV Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XIII Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2020

Tamanho da fonte: 
Atendimento Familiar Sistêmico: Um Estudo de Caso
Isadora Cechin Filipiack, Mayara Quevedo Ribeiro, Cláudia Mara Bosetto Cenci

Última alteração: 2020-10-27

Palavras-chave


Terapia Sistêmica; Família; Atendimento Familiar

Referências


Aun, J. G., Vasconcellos, M. J. E. de, & Coelho, S. V. (2005). Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais – Vol. 1 Fundamentos teóricos e epistemológicos. Belo Horizonte, MG: Editora Ophicina de Arte e Prosa.

Bartram, M. H. (1996). Clarifying subsystem boundaries in grandfamilies. Contemporary Family Therapy, 18(2), 267–277. doi:10.1007/bf02196727

Bergman, J. S. (1996). Formulando hipóteses clínicas. In J. S. Bergman (Ed.), Pescando barracudas: A pragmática da terapia sistêmica breve (pp. 53-72). Porto Alegre, RS: Editora Artes Médicas.

Conselho Nacional de Saúde. (2012). Resolução nº 466. Recuperado de http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/reso466.pdf

Conselho Nacional de Saúde. (2016). Resolução nº 510. Recuperado de http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf

Cordioli, A. V. (2008). Psicoterapias: abordagens atuais. In Cordioli, A. V. (Ed.), As principais psicoterapias: fundamentos teóricos, técnicas, indicações e contra-indicações (pp. 19-41). Porto Alegre, RS: Artmed.

Costa, L. F. (2010). A perspectiva sistêmica para a clínica da família. Psicologia: Teoria e pesquisa, 26(spe), 95-104. doi:10.1590/S0102-37722010000500008

Creswell, J. W. (2014). Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: Escolhendo entre cinco abordagens. Porto Alegre: Penso.

Creswell, J. W. (2014). Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: Escolhendo entre cinco abordagens. Porto Alegre, RS: Editora Penso.

Engstrom, M. (2016). Processos familiares em cuidados por parentes. In F. Walsh (Ed.), Processos normativos da família: Diversidade e complexidade (4a ed.). (S. M. M. da Rosa, Trad.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Gomes, L. B., Bolze, S. D. A., Bueno, R. K., & Crepaldi, M. A. (2014). As origens do pensamento sistêmico: das partes para o todo. Pensando Famílias, 18(2), 3-16. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2014000200002

McGoldrick, M., & Shibusawa, T. (2016). O ciclo vital familiar. In F. Walsh (Ed.), Processos normativos da família: Diversidade e complexidade (4a ed.). (S. M. M. da Rosa, Trad.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Minuchin, S., & Fishman, H. C. (2003). Coparticipação. In Minuchin, S. & Fishman, H. C. (Ed.), Técnicas de terapia familiar (pp. 37-57). Porto Alegre, RS: Artmed.

Nichols, M. P.; & Schwartz, R. C. (2007). Terapia familiar: Conceitos e métodos. 7. ed. Porto Alegre: Artmed.

Vasconcellos, M. J. E. de (2002). Pensamento sistêmico: O novo paradigma da ciência. Campinas, SP: Editora Papirus.

Wagner, A., Tronco, C., & Armani, A. B. (2011). Introdução. In A. Wagner (Org.), Desafios psicossociais da família contemporânea: Pesquisas e reflexões (pp. 19-35). Porto Alegre, RS: Editora Artmed.