Portal de Conferências da IMED, XIV Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XIII Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2020

Tamanho da fonte: 
LEILÃO DA VIRGINDADE FEMININA: OBJETIFICAÇÃO OU LIBERDADE JURÍDICA?
Laura de Castro Silva, Chaíni De Grandi, Iuri Bolesina

Última alteração: 2020-10-27

Resumo


Por trás da virgindade da mulher existe uma construção histórico-social, fazendo com que ela seja hiper valorizada, e a partir disso virando alvo de disputa. Diante disso, a presente pesquisa teve como foco averiguar se os leilões da virgindade são uma forma de objetificação da mulher ou de respeito a sua liberdade? Para tanto, no capítulo 1, a discussão se deu em torno do conceito de dignidade da pessoa humana, bem como acerca dos direitos da personalidade, em específico o direito ao próprio corpo. No capítulo 2, o que está em debate é como a moral histórica à volta da virgindade feminina influencia na objetificação da mulher. E, no capítulo 3, mostra-se brevemente as ideias de duas vertentes feministas acerca dos leilões da virgindade, tendo como parâmetro o que as linhas discorrem a respeito da comercialização do sexo.  Ao final, de modo geral, pode-se concluir que há violação da dignidade da mulher quando a mesma é vista como objeto de satisfação de prazer do homem, pois torna-se sujeito objetificado. A pesquisa compreende a utilização do método de abordagem hipotético-dedutivo, com a técnica de pesquisa de documentação indireta.


Palavras-chave


Leilões da Virgindade; Dignidade da Pessoa Humana; Direitos da Personalidade; Feminismo; Moral; Virgindade.

Referências


ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jaqueline. O que é feminismo? São Paulo: Abril Cultural: Brasiliense, 1991.

Barry, K. (1995). A prostituição da sexualidade. New York University Press.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: Fatos e mitos. 4° ed. São Paulo: Difusão Européia do livro, 1970.

BITTAR, Carlos Alberto. Os direitos da personalidade. 5a . ed. rev. atual. e aum. por Eduardo Carlos Bianca Bittar. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

CARRARA, Helio Humberto Angotti; DUARTE, Geraldo; PHILBERT, Paulo Meyer de Paula. Semiologia Ginecológica. Simpósio Semiologia Especializada, 1996. Ribeirão Preto, São Paulo.

COSTA, Ana Kerlly Souza da. Hipersexualização frente ao empoderamento: a objetificação do corpo feminino evidenciada. Seminário Corpo, Gênero e Sexualidade, 2018. Rio Grande/RS. Disponível em: http://www.7seminario.furg.br/. Acesso em: 02 de junho de 2020.

DIAS, Felipe da Veiga; GERVASONI, Tassia Aparecida. O imperativo categórico Kantiano e a Dignidade da Pessoa Humana: Reflexões sobre o fundamento dos direitos humanos e as raízes do estado democrático de direito. Livro: Direitos Fundamentais e Políticas Públicas. Santa Catarina. 2013

FIRESTONE, Shulamith. A dialética do sexo. Nova York: coleção de bolso, 1970.

JEFFREYS, Sheila. The industrial vagina: The political economy of the global sex trade. Nova York: Routledge, 2009.

KANT, I. 1964. Fundamentação da metafísica dos costumes. São Paulo, Editora Nacional.

KNIBIEHLER, Yvonne. História da virgindade. Contexto, 2016.

LOURO, Guacira Lopes; WEEKS, Jeffrey; BRITZMAN, Deborah; HOOKS, bell; PARKER, Richard: BUTLER, Judith. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 4° ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

MIGUEL, Luis Felipe; BIROLLI, Flávia. Feminismo e política:  uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014.

MILL, John Stuart. Sobre a liberdade. Trad. Alberto da Rocha Barros. Petrópolis: Vozes, 1991.

MILLET, Kate. Política sexual. Lisboa: Dom Quixote, 1970.

MOINHOS, Deyse dos Santos; GOZZO, Débora. A Disposição Do Corpo Como Direito Fundamental E A Preservação Da Autonomia Da Vontade. Disponível em: http://publicadireito.com.br/artigos/?cod=72fed322f249b958. Acesso em: 30 maio 2020.

NAVARRO, Regina Lins. O livro do amor, vl. 2 [recurso eletrônico] : do Iluminismo à atualidade. Rio de Janeiro: Best Seller, 2012.

PADILHA, Elisângela; BERTONCINI, Carla. A Dignidade da Pessoa Humana na Teoria dos Direitos Fundamentais de Robert Alexy: uma análise sobre o seu caráter absoluto ou relativo na ordem jurídico-constitucional. Revista de Direito Brasileira, [S.l.], v. 13, n. 6, p. 95-110, abr. 2016. ISSN 2358-1352. Disponível em: <https://www.indexlaw.org/index.php/rdb/article/view/2908/2704>. Acesso em: 30 maio 2020. doi:http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2358-1352/2016.v13i6.2908.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. São Paulo: Paz e terra, 1988.

PINTO, Céli Regina Jardim. 1999. Foucault e as constituições brasileiras: quando a lepra e a peste se encontram com os nossos excluídos. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 24, n. 2, jul, 2003. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

SANDEL, Michael J. O que o dinheiro não compra: os limites morais do mercado. 1° ed. Rio de janeiro: Civilização brasileira, 2012.

SARLET, Ingo   Wolfgang. As   dimensões   da   dignidade   da   pessoa   humana: construindo uma compreensão jurídico constitucional necessária e possível. In Dimensões da dignidade: ensaios de filosofia do direito e direito constitucional, by Ingo Wolfgang SARLET, 15-43. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

SCHREIBER, Anderson. Direitos da personalidade. 2 a. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

SCHREIBER, Anderson. Direitos da personalidade. 3 a. ed.  São Paulo: Atlas, 2014.

SOUSA, Rabindranath Capelo de - O direito geral de personalidade. Coimbra, Coimbra Editora, 1993, 703 p.

TOMITA, Luiza E. Da exclusão a objeto do prazer: o corpo das mulheres oferece notas para uma reflexão teológica feminista. Portal Metodista de Periódicos Científicos e Acadêmicos, São Paulo, v. 13, n. 13, 2007. São Paulo: Universidade Metodista de São Paulo.

WOLF, Naomi. O mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.