Portal de Conferências da IMED, XI Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e X Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2017

Tamanho da fonte: 
PERSÉPOLIS: A DENÚNCIA DA VIOLAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS PELA REPÚBLICA ISLÂMICA DO IRÃ
Giulia Signor, Diogo Dal Magro, Sérgio Ricardo Fernandes de Aquino

Última alteração: 2017-06-16

Resumo


Por meio da análise crítica e jurídica do filme Persépolis, pautado na obra homônima de Marjane Satapri, traremos como objetivo geral da pesquisa a averiguação de como se apresenta a violação dos direitos humanos, pelo Estado, no âmbito da história em questão. Como objetivos específicos, analisaremos como se demonstra no filme as violações dos Direitos Humanos na República Islâmica do Irã, tendo como foco as violações dos direitos de Crença e de Liberdade, usando o contraponto da imposição religiosa com a liberdade de expressão e dos direitos das mulheres iranianas. Estuda-se, ainda, na história retratada pelo filme, como o problema da xenofobia se apresenta e como afeta o direito de migração, e como esses fatores demonstram a fragilidade dos direitos humanos em âmbito internacional. Assim, concluímos que a imposição religiosa pelo Estado tem por consequência uma supressão nos direitos de liberdade, destacando os direitos das mulheres, e que a xenofobia é um fator de impedimento da migração, demonstrando de fato, a fragilidade dos direitos humanos a nível internacional, uma vez que a garantia de seu cumprimento é abstrata. A pesquisa foi realizada por meio do método indutivo e do método de procedimento funcionalista, pois foi feita a análise de caso do filme Persépolis. O presente artigo foi feito pelos debates nos grupos de pesquisa: Ética, Cidadania e Sustentabilidade, Cine Law: Cinema e Direitos Humanos. 


Palavras-chave


Persépolis; Direitos Humanos; Direito de crença; Direito de liberdade; Direito de migração

Texto completo: PDF