Portal de Conferências da IMED, XI Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e X Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2017

Tamanho da fonte: 
CONSUMO DE AÇÚCARES E PERCEPÇÃO DE SAÚDE ENTRE FORMANDOS DE ODONTOLOGIA
Natasha Simone Dino, Gabriely Lima Vargas, Chaiane Simor Werle, Deison Alencar Lucietto

Última alteração: 2017-06-14

Resumo


A alimentação é um dos principais fatores determinantes para a saúde humana. O consumo elevado de alimentos ricos em açúcares hoje observado é preocupante, pois está relacionado a várias doenças crônicas. Este estudo teve como objetivo descrever o consumo de açúcares e a percepção de saúde em formandos de um curso de Odontologia do Rio Grande do Sul. Tratou-se de estudo populacional descritivo transversal. Foi aplicado questionário a 44 concluintes. A maioria (47,7%) informou realizar quatro refeições diárias. Verificou-se que 13,7% costumava consumir alimentos doces em três (11,4%) ou quatro refeições (2,3%), com maior consumo no lanche da tarde. Igual percentual (13,7%) afirmou ingerir bebidas doces em três (6,8%), quatro (4,6%) e seis refeições diárias (2,3%), com maior consumo no almoço. Parcela considerável referiu insatisfação em relação ao excesso de peso (56,8%). A análise do IMC verificou que 25,0% encontrava-se acima do peso (20,4%) ou com obesidade (4,6%). Entretanto, 91,9% avaliou seu estado de saúde como bom (63,7%) ou muito bom (27,2%). Os resultados sugeriram diferenças entre o consumo de alimentos e bebidas doces, satisfação com o peso e percepção de saúde. Ressalta-se a importância da adoção de hábitos alimentares saudáveis mesmo entre concluintes de Odontologia, onde existe alto nível de informações sobre os determinantes da saúde e saúde bucal.

Palavras-chave


Alimentação; Açúcares; Saúde; Estudantes de Odontologia

Texto completo: PDF