Portal de Conferências da IMED, XI Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e X Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2017

Tamanho da fonte: 
RESTAURAÇÕES DE RESINA COMPOSTA EM DENTES ANTERIORES: SOBREVIVÊNCIA EM FUNÇÃO DO REPARO
Alexandra Graunke, Rodrigo Varella de Carvalho, Françoise Hélène van de Sande Leite

Última alteração: 2017-07-26

Resumo


Introdução: O reparo de restaurações com defeitos localizados é uma alternativa de tratamento conservadora, pois preserva as estruturas dentárias de desgastes realizados com a substituição completa da restauração.

Objetivos: Este estudo longitudinal retrospectivo (aprovado pelo Comitê de Ética da UFPel, N. 0222008) teve por objetivo avaliar a sobrevivência de restaurações de resina composta (RC) em dentes anteriores, investigando a influência da inclusão de reparo como sucesso ou falha na sobrevivência.

Metodologia: Os dados foram coletados de uma clínica odontológica privada (Caxias, RS), de prontuários de pacientes que preencheram critérios de elegibilidade pré-determinados: restaurações de RC em dentes anteriores do tipo classe III ou IV, com tempo de acompanhamento mínimo de 4 anos, dentre outros. Os dados foram avaliados com teste Log Rank, regressão de Cox multivariada (sexo, arco, dente e RC) e método Kaplan-Meier para gerar as curvas de sobrevivência (α=5%).

Resultados: No total, 99 prontuários foram selecionados (68 mulheres e 27 homens), com 226 restaurações do tipo classe III e IV. A diferença na sobrevivência de restaurações classes III e IV não foi estatisticamente significativa (p=0,914), e os dados foram avaliados em conjunto. Quando o reparo foi incluído como sucesso, a sobrevivência foi de 93%, 77% e 69% em 5, 10 e 15 anos respectivamente. Quando o reparo foi incluído como falha, a sobrevivência foi reduzida para 86%, 73% e 64% em 5, 10 e 15 anos respectivamente. Em geral os fatores que influenciaram a sobrevivência foram o tipo de dente e o arco, com as restaurações em incisivos centrais e no arco superior apresentando maior risco de falha. Algumas variações foram observadas nas análises em função do reparo (sucesso ou falha).

Conclusão: A inclusão de reparo como sendo falha diminui a sobrevivência das restaurações, o que pode subestimar a longevidade destes procedimentos.

HICKEL, R.; BRUSHAVER, K.; ILIE, N. Repair of restorations--criteria for decision making and clinical recommendations. Dent Mater, v. 29, n. 1, p. 28-50, Jan 2013.

MARTIN, J.; FERNANDEZ, E.; ESTAY, J.; GORDAN, V. V.; MJOR, I. A.; MONCADA, G. Minimal invasive treatment for defective restorations: five-year results using sealants. Oper Dent, v. 38, n. 2, p. 125-33, Mar-Apr 2013.


Palavras-chave


Análise de Sobrevida. Resinas Compostas. Reparação de Restauração Dentária