Portal de Conferências da IMED, XI Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e X Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2017

Tamanho da fonte: 
Prevalência de Bruxismo e Fatores associados nos Pacientes das Clínicas de Odontologia da IMED
Michelly Cofrewirz, Danubia Bavaresco, Luiza Von Meusel, Graziela Oro Cericato

Última alteração: 2017-07-26

Resumo


O objetivo deste estudo foi verificar a prevalência e fatores associados ao bruxismo dos pacientes das Clínicas de Odontologia da IMED. Os dados foram coletados dos prontuários dos pacientes, na seção de exame anamnésico, baseando-se, portanto, no auto-relato do paciente. De um total de 3000 prontuários foram selecionados aleatoriamente 328. Os dados foram coletados e as variáveis foram categorizadas. As variáveis dependentes Apertamento (Sim/Não), Dores na ATM (Sim/Não) e Dor de Cabeça(Sim/Não), foram associadas com as variáveis independentes sexo, idade, estado civil, escolaridade, consumo de café, uso de anticoncepcional, gravidez, mastigação bilateral autorrelatada, encaixe dentes autorrelatado, roer unhas e morder objetos.  A idade variou de 04 a 85 anos, com média de 37 anos.  Com relação ao gênero, 61,9% dos pacientes eram sexo feminino e 38,1% do sexo masculino. As prevalências de apertamento, dor de cabeça e dores na ATM foram 35,67%,  26,83% e 29,57% respectivamente. A análise estatística por regressão de Poisson verificou associação entre a variável dependente dores na ATM e idade (IRR=0.84 IC 95% 0.73-0.96; p=0.014), com as maiores prevalências observadas entre os 21 e 40 anos de idade e dores na ATM e encaixe dos dentes (IRR=0.62 IC 95% 0.40-0.94; p=0.025), sendo que 64% dos pacientes que relataram dores na ATM afirmaram que seus dentes não encaixavam bem. Ainda, foi observada associação entre a variável dependente dor de cabeça com o hábito de roer unhas (IRR=1.55 IC 95% 0.99-2.42; p=0.05), sendo a ausência do hábito de roer unhas um fator de proteção para não ter dor de cabeça e com o uso de anticoncepcional (IRR=2.03 IC 95% 1.17-3.54; p=0.012), sendo que 66% das pacientes que relataram ter dor de cabeça também faziam uso de anticoncepcional.  Assim, pode-se concluir que é alta a prevalência de sintomas de DTM (apertamento, dores na ATM e dores de cabeça), nos pacientes atendidos nas Clínicas de Odontologia da IMED, bem como verificou-se associação de dores na ATM com a idade e o encaixe dos dentes. Importante salientar que os dados aqui apresentados foram baseados nos autorrelatos dos pacientes, sendo necessários dados clínicos para corroborarem tais resultados.


Palavras-chave


Bruxismo; DTM; Oclusão;