Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
CONDIÇÕES PERIODONTAIS E FATORES ASSOCIADOS EM PACIENTES DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA DE UMA FACULDADE
Luiza Vieira da Cunha, Eliane Gaio, Gabriela Andrighetto, Lilian Rigo

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


RESUMO: Este estudo, de abordagem quantitativa, cujo delineamento é transversal, teve como objetivo verificar a prevalência das condições periodontais e sua associação com fatores possivelmente agravantes em pacientes que frequentaram uma Clínica de Odontologia. A amostra foi composta por 112 pacientes com idades entre 18 a 84 anos no período de agosto e setembro de 2017. Para a coleta dos dados foi utilizado um questionário auto aplicativo contendo questões socioeconômicas, de acesso a serviços odontológicos, de higiene bucal, de alimentação, de saúde e de bem estar. Além disso, realizou-se exames clínicos bucais para a coleta de dados periodontais, utilizando para isso, o índice CPI (Índice Periodontal Comunitário). As variáveis desfecho foram as principais condições periodontais: sangramento gengival, cálculo dental e bolsa periodontal. Os resultados mostraram que quanto menos pessoas moram na mesma casa, menor a prevalência de sangramento gengival (75%), bem como, as pessoas que frequentam serviço odontológico particular apresentam menor prevalência de sangramento (65%). Os pacientes que apresentaram maior prevalência de cálculo foram os que têm menor nível de escolaridade (86%). Também se observou a relação com o menor nível de escolaridade em indivíduos com maior prevalência de sangramento (72%). Os pacientes que não usam rotineiramente antisséptico apresentaram maior prevalência de cálculo dental (75,8%) do que os que usam o antisséptico rotineiramente. Quanto à bolsa periodontal, 38,4% dos indivíduos apresentaram nas formas leve ou moderada. Concluiu-se que houve uma alta prevalência de pacientes com presença de sangramento gengival e cálculo dentário, havendo associação entre sangramento gengival com quantidade de pessoas que moram na casa, uso de serviço público e nível de escolaridade e, além disso, o nível de escolaridade e o uso rotineiro de antisséptico bucal apresentou associação com cálculo dental.

 

REFERÊNCIAS: 1. Lindhe J. Tratado de periodontia clínica e implantologia oral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1999.

2 Almeida RF, Pinho MM, Lima C, Faria I, Santos P, Bordalo C. Associação entre doença periodontal e patologias sistêmicas. Rer Port Clin Geral. 2006; 22: 379-90.

3 Hass, AN, Gaio EJ, Wagner MC, Rios FS, Costa RSA, Rösing CK, et.al. Um estudo de coorte de base populacional de saúde bucal no sul do Brasil: Estudo de Porto Alegre. Rev Bras Epidemiol, abr-jun 2015; 18(2): 515-19.


Palavras-chave


Doença Periodontal, Gengivite, Higiene Bucal, Índice Periodontal, Clínica Odontológica.

Referências


1. Lindhe J. Tratado de periodontia clínica e implantologia oral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1999.

2. Almeida RF, Pinho MM, Lima C, Faria I, Santos P, Bordalo C. Associação entre doença periodontal e patologias sistêmicas. Rer Port Clin Geral. 2006; 22: 379-90.

3. Hass, AN, Gaio EJ, Wagner MC, Rios FS, Costa RSA, Rösing CK, et.al. Um estudo de coorte de base populacional de saúde bucal no sul do Brasil: Estudo de Porto Alegre. Rev Bras Epidemiol, abr-jun 2015; 18(2): 515-19.