Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
FATORES COMPETITIVOS DAS PEQUENAS EMPRESAS: A VISÃO BASEADA EM RECURSOS
Andressa Bonfante Bueno, Adrieli Cecchin Fortuna, Aline Ortiz Rauber, Claudionor Guedes Laimer

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


Este artigo tem como objetivo investigar os fatores competitivos das empresas, a partir de seus recursos e desempenho. Para isso, considera-se a influência da abordagem teórica da visão baseada em recursos (RBV). A pesquisa tem característica quantitativa e descritiva, com uma pequena amostra de empresas do ramo metal-mecânico, moveleiro, vestuário e alimentício, em que foi aplicado um questionário. A análise dos dados foi feita de forma descritiva, a fim de proporcionar um melhor entendimento dos dados coletados. Os resultados indicam o recurso reputacional teve maior destaque na percepção dos gestores das pequenas empresas, considerando a credibilidade, visibilidade, status e prestígio e a boa reputação em relação aos stakeholders.


Palavras-chave


Visão Baseada em Recursos. Recursos. Desempenho

Referências


BARNEY, J. B.; HESTERLY, W. S. Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CARMONA, L. J. M.; TOMELIN, J.; DANI, A. C.; HEIN, N. Efeito Da Intensidade Tecnológica Na Relação Entre O Investimento Em Inovação E O Desempenho Organizacional De Setores Industriais. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, v.5, n.2, p. 84-106.

DALFOVO, M. S; MACHADO, M. M.; ZOSCHKE, A. C. K.; DA SILVA, T. A. Análise da Influência Da Visão Baseada Em Recursos E Monitoramento Do Ambiente Na Capacidade De Gestão Dos Stakeholders. Pensamento & Realidade, v.31, n.4, p. 1-22, 2016.

DE ARO, E. R.; SAMPAIO, V. P. Identificação dos recursos e capacidades organizacionais: estudo de caso em empresas do serviço alimentício. In: ENGEMA - Encontro Internacional Sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, São Paulo, 2016.

DIEHL, A.; TATIM, D.; Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas. São Paulo. Pearson Prentice Hall, 2004.

FONSECA, M. R.; CUNHA, M.A. Desenvolvimento De Vantagem Competitiva Sob a Ótica da Visão Baseada em Recursos. Caderno Profissional de Administração, v.5, n.1, p. 94-111, 2015.

GOHR, C. F.; MEDEIROS, R. A.; SANTOS, L. C. Vantagem Competitiva Em Um Apl De Móveis. Pretexto, Belo Horizonte, v.15, n.4, p. 64-82, 2014.

GÜNTHER, H. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 22, n. 2, p. 201–209, 2006.

JOSEPH, G. P. A.; GONÇALVES-DIAS, S. L. F.; FELSBERG, A. V.; IGARI, A. T. Responsabilidade Social Corporativa E Índices De Sustentabilidade: Um Estudo Dos Ativos Tangíveis E Intangíveis À Luz Da Visão Baseada Em Recursos. Revista de Gestão Social e Ambiental, São Paulo, v. 12, n.1, 2018.

JUNGES, V. C.; DAL-SOTO, F. Recursos E Capacidades Estratégicas Como Fontes De Vantagem Competitiva No Clube Arranca. Revista Capital Científico, v.15, n.1, 2017.

LAIMER, C. G.; LAIMER, V. R. Relações de Cooperação na Perspectiva da Visão Baseada em Recursos. Revista de Administração da UNIMEP, v.7, n.3, p. 93-110, 2009.

LOURO, A.; ALMEIDA, G. S.; PELISSARI, A. S. Quais capacidades são fontes de Vantagem Competitiva Sustentável no setor de soluções de software? Uma análise à luz das Capacidades Dinâmicas e da Visão Baseada em Recursos. Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, v. 7, n.4, p. 36-50, 2017.

SALGADO, C. C. R.; COLOMBO, C. R. Sistema de Gestão Ambiental no Verdegreen Hotel–João Pessoa/PB: Um estudo de caso sob a perspectiva da Resource-Based View. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 5, p. 195-225, 2015.

TUNES, R.; MONTEIRO, P. R. R. Conhecimento Em Gestão, Vantagem Competitiva E Performance Empresarial: Proposição E Teste De Um Modelo Fundamentado Na “Resource Advantage Theory” Em Mpes. Revista Brasileira de Marketing, v.16, n. 3, p. 298-316, 2017.

WERNERFELT, B. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal. v.5, p. 171-180, 1984

 


Texto completo: PDF