Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
ENSINO-APRENDIZAGEM SOBRE A PROLEMÁTICA DE GÊNERO NAS INSTITUIÇÕES EDUCACIONAIS BÁSICAS DO BRASIL: UMA QUESTÃO DE DIREITOS HUMANOS
Amanda Brum Porto, Leilane Serratine Grubba

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


O artigo tem como objeto a problemática de gênero e objetiva esclarecer a questão da discussão sobre gênero no ambiente escolar, problematizando os fatores que geram tanta resistência por parte da comunidade escolar, da sociedade e da política, que fazem com que a discussão não aconteça dentro da escola. Problematiza, a partir de Bourdieu, o mito que reproduz a ideia de que não existem diferenças entre as pessoas e que gênero é assunto proibido para crianças e adolescentes. Contudo, a falta dessa discussão, nos dias atuais, parece gerar obstáculos para aqueles que, de alguma maneira, sofrem violências como bullying, por não seguirem os padrões da sociedade, sabendo que a Constituição Federal brasileira e outras políticas públicas defendem tanto a criança e o adolescente quanto o direito à educação e à igualdade. Utilizou-se, para este artigo, o método dedutivo.


Palavras-chave


Direito; Direitos Humanos; Educação; Gênero.

Referências


BRASIL. Emendas Constitucionais. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988.

BRASIL. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996.

BRASIL. Institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying). LEI Nº 13.185, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2015.

BRASIL. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

COSTA, Ana Paula Motta. Os Adolescentes e seus Direitos Fundamentais: Da invisibilidade à Indiferença. Porto Alegre: Livraria do Advogado editora, 2012.

CUNHA, Maria Amália de Almeida. O conceito “capital cultural” em Pierre Bourdieu e a herança etnográfica. vol.25, n. 2, 503-524, jul/dez. 2007. Florianópolis: PERSPECTIVA

CURY, Carlos Roberto Jamil. Direito à educação: direito à igualdade, direito à diferença. Cad. Pesqui.  no.116 São Paulo July 2002.

RIBEIRO, Monica Dias. Genero e Diversidade Sexual na Escola: Sua relevância como Conteúdo Estruturante no Ensino Médio. ed. n. 2, vol. 1, jul-dez. 2012.

STIVAL, Maria Cristina Elias Esper; FORTUNATO, Sarita Aparecida de Oliveira. Dominação e Reprodução na Escola: Visão de Pierre Bourdieu.