Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
Caracterização do contexto de trabalho de docentes públicos municipais
Vanessa Keche, Vinícius Renato Thomé Ferreira, Naiana Dapieve Patias, Vanessa Rissi

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


Introdução/objetivo: O trabalho, ao mesmo tempo em que se constitui como um espaço privilegiado de construção de identidade, de sentidos psíquicos e de relacionamentos sociais, pode possibilitar a vivência de situações que causam sofrimento e adoecimento (Dejours, 2015). A categoria profissional dos professores não está imune à referida capacidade nociva do trabalho, a partir da configuração do contexto de trabalho (Valle & Aguillera, 2016). Sendo assim, esta pesquisa teve como objetivo caracterizar o contexto de trabalho a partir de três dimensões: organização do trabalho (OT), relações sócio profissionais e condições de trabalho. Método: Para tanto, realizou-se estudo quantitativo e descrito, de corte transversal. A amostra constituiu-se de sessenta docentes de oito escolas públicas municipais de uma cidade do interior do estado do Rio Grande do Sul, atuantes em nível de ensino fundamental. A escolha das escolas participantes deu-se de forma não aleatória, tendo sido convidadas a participar, a partir de uma lista fornecida pela secretaria municipal de educação do município. Os instrumentos utilizados para a coleta de dados foram a Escala de Contexto de Trabalho (Ferreira & Mendes, 2007) e um questionário de caracterização sociodemográfica.  O estudo foi aprovado mediante Comitê de Ética em Pesquisa, sob parecer número CAAE 66360817.8.0000.5319. Resultados: Análises descritivas (médias e desvios-padrão) indicaram que o contexto de trabalho, de um modo geral, foi avaliado em nível considerado crítico (2,44 DP=1,15). O fator “organização do trabalho” foi também classificado em nível crítico (2,85 DP=1,14), destacando-se dois itens: ritmo de trabalho excessivo (3,20 DP=1,16) e falta tempo para realizar pausas de descanso no trabalho (3,17 DP=1,19). Por outro lado, os fatores “relações sócio profissionais” (2,24 DP=1,19) e “condições de trabalho” (2,25 DP=1,14) foram avaliados como satisfatórios. Discussão/Considerações Finais: Por fim, tomando-se os resultados quanto à caracterização geral do contexto de trabalho e dos fatores considerados críticos, a análise identificou que o contexto de trabalho, enquanto dimensão total da escala, foi considerado crítico, assim como o fator OT, o que é tomado como indicador de “situação-limite”, potencializando o custo negativo e o sofrimento no trabalho. Além disso, este resultado sinaliza estado de alerta, requerendo providências imediatas a curto e médio prazo, neste âmbito, para evitar o adoecimento dos professores.


Palavras-chave


Trabalho; Contexto de Trabalho; Docentes.

Referências


Dejours, C. (2015). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. SãoPaulo: Cortez.

Ferreira, M. C., & Mendes, A. M. (2003). Trabalho e riscos de adoecimento: o caso dos auditores-fiscais da previdência. LPA Edições.

Vale, P. C. S. do, & Aguillera, F. (2016). Estresse dos professores de ensino fundamental em escolas públicas: uma revisão de literatura. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, 5(1), 86-94. doi: 10.17267/2317-3394rpds.v5i1.712