Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
Casais moram em residências separadas
Cleuza Elizabete Chaves, Icaro Bonamigo Gaspodini

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


O relacionamento dos casais se mostra em constante transformação.   O casal é um par com ligação afetiva, vida íntima, planos em comum, que mora junto ou separado, do mesmo ou de diferente gênero, com filhos ou não, entre outros (Rosset, 2014). Os casais modernos se afastam do padrão tradicional de família nuclear que era constituída por casais heterossexuais casados e com filhos biológicos. Atualmente as famílias são constituídas por casais recasados, alternativos, homossexuais, sem filhos, com filhos adotivos, que trabalham juntos, em migração, com culturas ou etnias diferentes, com acentuada diferença de idade (Osório, 2013). Embora tenha aumentado o interesse em abordar diferentes contextos ou configurações conjugais, percebe-se uma deficiência na literatura nacional referente a configuração de casais que vivem em residências separadas. O objetivo do presente trabalho é descrever sobre a configuração familiar desses casais. Para tanto, se utilizou de uma pesquisa de cunho qualitativo de revisão de literatura. Como resultados do estudo, verificou-se que o termo vivendo separados, juntos “Linving apart together” - LAT foi usado primeiramente na Holanda. Um jornalista holandês, escreveu um artigo em 1978 sobre um fenômeno que ele tinha observado, e que ele próprio viveu com a companheira. A Holanda é o único país, onde o termo LAT é integrado no discurso cotidiano (Levin, 2004; Trost, 1998). Living apart together - LAT pode ser definido por é um casal mesmo gênero ou oposto, que vivem juntos, mas não compartilham a mesma casa. Os dois são percebidos por seu entorno social como um casal e tratados da mesma forma que os casais casados ou que vivem em união de fato (Levin, 2004; Trost, 1998). Culturalmente o casamento tem sido a instituição social para casais que estiveram juntos por um longo período, alguns anos atrás, uma nova instituição social surgiu no mundo ocidental: a coabitação não-matrimonial, ainda que isso fosse mais demorado para ser aceito em alguns países do que em outros. Living Apart Together (LAT), é um novo fenômeno que parece ter o potencial de se tornar a terceira etapa do processo de mudança social (Levin e Trost, 1999). Em contraste com os casais em casamentos que têm uma casa em comum, os casais que vivem em relações LAT têm um agregado familiar cada (Levin e Trost, 1999). Por fim, de acordo com a revisão da literatura, existem poucos estudos brasileiros a respeito da temática. Sugere-se que futuros estudos abordem o tema por meio de delineamentos empíricos.


Palavras-chave


configuração conjugal, casais, morar residência separada.

Referências


Levin, I., & Trost, J. (1999). Living apart together. Community, Work & Family, 2(3), 279-294. http://dx.doi.org/10.1080/13668809908412186

Levin, I. (2004). Living Apart Together: A New Family Form. Current Sociology, 52(2), 223–240. doi:10.1177/0011392104041809

Osório, L. C. (2013). Casais e Famílias. In L.C. Osório (ed.), Como Trabalhar com Sistemas Humanos: Grupos, Casais e Famílias, Empresas. (pp. 65-107). Porto Alegre, RS: Artmed.

Rosset, S.M.(2014). O casal nosso de cada dia. Belo Horizonte, MG: Artesã.

Trost, J. (1998) LAT Relationships Now and in the Future. In K. Matthijs (ed.) The Family Contemporary Perspectives and Challenges (pp.206-220).Belgium: Leuven University Press.