Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
Relato de Experiência de Estágio em Psicologia em Uma Clínica Psiquiátrica
Aline Ortiz Rauber, Renata Polese, Luis Henrique Paloski

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


O presente resumo possui como objetivo relatar as atividades desenvolvidas no Estágio Básico I e II do curso de Psicologia em uma clínica psiquiátrica. As atividades consistiram no acompanhamento de grupoterapias para o tratamento de transtornos relacionados a uso de substâncias e outros transtornos mentais (comorbidades), assim como realizar entrevistas de acolhimento (anamnese) com os pacientes internados.  O Manual Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais- DSM-5 (Association American Psychiatric, 2014), afirma que o uso recorrente de substância resulta em incapacidade para cumprir obrigações individuais, sociais e ocupacionais, além de riscos físicos, e também a consumo cada vez maior e iniciativas malsucedidas para diminuir ou controlar o uso (APA, 2014). A grupoterapia associada a terapia cognitivo-comportamental apresenta resultados promissores para este público (Farina, Bulcão, Lopes, & Argimon, 2013). No local de estágio, a principal função das grupoterapias foi possibilitar aprendizagem sobre os transtornos mentais com a técnica da psicoeducação. O psicoeducar, auxilia no esclarecimento de informações para o paciente sobre o seu problema e sua psicopatologia, pois o conhecimento sobre diagnóstico, etiologia, funcionamento, tratamento e prognóstico contribuem para a melhora. Além disso, o estabelecimento de uma boa relação terapêutica, em que as estagiárias tenham uma postura flexível e baseie seus questionamentos e intervenções com base na motivação proporciona uma abordagem terapêutica aos pacientes (Argimon, & Paim, 2005). Desta forma, os resultados obtidos no estágio possibilitaram ampliar as habilidades técnicas e teóricas das estagiárias e o conhecimento do funcionamento dos diferentes transtornos atendidos na clínica, bem como a compreensão do manejo de grupos e realização de acolhimento terapêutico.

 


Referências


Argimon, I. de L., Paim, K. C. (2005). A entrevista motivacional: importância do acolhimento a dependentes químicos In Macedo, M. M. K., Carrasco, L. K. (Orgs.), (con)textos de entrevista: olhares diversos sobre a interação humana (pp. 87-97). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Association American Psychiatric. (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-5. (M. I. N. Nascimento, Ed.) (5a). Porto Alegre, RS: Artmed.

Farina, M., Bulcão, L. T., Lopes, R. M. F., & Argimon, I. L. (2013). Importância da psicoeducação em grupos de dependentes químicos: relato de experiência Importance of psychoeducation in addiction groups. Aletheia, 42, 175–185.

Pichon-Rivière, E. (1983). O processo Grupal. (M. A. F. Velloso & M. S. Gonçalves, Eds.) (8a). São Paulo: WMF Martins Fontes.

Texto completo: Sem título