Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
CONCEPÇÕES DE UMA PROFESSORA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UM ESTUDO PILOTO
Debora Rita Kujawa, Giovanna Nonemacher, Tainá Caroline Broetto dos Santos, Naiana Dapieve Patias

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


Mudanças sociais demandam à escola o desafio de repensar a prática de ensino. Além de ensinar conteúdos, faz-se necessário que a educação escolar promova o desenvolvimento afetivo e humano das crianças, integrando-as com o meio social. Com base nisso, desenvolveu-se um projeto de pesquisa de dissertação de mestrado, a fim de conhecer as concepções teóricas dos professores, do ensino fundamental, sobre o processo de ensino e aprendizagem. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, transversal e de cunho exploratório, realizada com professores de ensino fundamental, anos iniciais, da região norte do RS. Os dados foram obtidos por meio de uma ficha de dados sociodemográficos e um roteiro de entrevista semiestruturada individual. As entrevistas foram gravadas, transcritas e posteriormente, analisadas por meio da Análise Temática. O projeto foi submetido ao Comitê de Ética e Pesquisa (CEP) da IMED. Após a aprovação, realizou-se um estudo piloto com uma professora do 2º ano (ensino fundamental) a fim de verificar a coerência dos instrumentos. O projeto de pesquisa é sustentado em três abordagens teóricas sobre o ensino e aprendizagem, a saber: (a) comportamentalista; (b) construtivista; e (c) humanista. Tendo em vista o objetivo da pesquisa, procurou-se verificar se o relato desta participante estava implicado à alguma(s) dessas abordagens. A partir da Análise Temática evidenciou-se que a concepção desta professora estava associada a uma abordagem humanista, que leva em consideração aspectos individuais de seus alunos, conforme relato: “o importante nesse processo é humanizar [...] o diferencial é assim, aquele carinho, aquela ternura, aquela paciência do ouvir do estar presente. Levar em consideração que não é só um aluno, mas um ser humano que necessita não só do ensino, mas necessita também ser ouvido, aprender a ouvir, aprender a aprender”. No entanto, também embasa sua prática no construtivismo quando discorre que: “ele tem que se expressar [...] o estudante não pode ser só receptivo, ele tem que falar o que pensa, falar o que ele é”. Além disso, utiliza técnicas comportamentalistas, pois refere que é necessário “dar o reforço positivo, mostrar que é importante aprender”. A partir disso, evidencia-se que embora esta docente possui uma concepção humanista em que leva em consideração aspectos individuais de seus alunos, também pauta-se no construtivismo ao afirmar que o aluno deve ser impor e ainda, utiliza técnicas comportamentalistas, como o reforço positivo.

Referências


Giusta, A. da S. (2013). Concepções de aprendizagem e práticas pedagógicas.  Educação em Revista, 29(01), 17-36.

Moreira, M. A. (2011). Teorias da Aprendizagem. (2a ed.). São Paulo, SP: EPU.