Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
Desempenho escolar/rendimento acadêmico. Como os estudos nacionais o conceituam?
Ângela Maria Horn, Luana Bonavigo, Giovanna Nonemacher, Naiana Dapieve Patias

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo investigar o conceito de desempenho escolar, nas publicações nacionais, nos últimos quatros anos. Foi realizada uma revisão integrativa de artigos científicos publicados entre os anos 2014 a 2017, sendo estes advindos de pesquisas empíricas, na base de dados LILACS (lilacs.bvsalud.org). Para a busca de artigos empregaram-se os seguintes descritores: “desempenho escolar” or “desempenho acadêmico” or “rendimento acadêmico”. Com os descritores, foram encontrados um total de oito artigos. Um foi excluído por ser anterior à 2014. Após a utilização dos critérios de inclusão, usando os descritores acima citados, restaram sete artigos para análise. Dentre este total, dois foram excluídos por se tratarem de pesquisas referente a atuação do acadêmico de odontologia e por não apresentarem descrições conceituando o desempenho/rendimento escolar ou acadêmico. Desta forma, restaram, para análise, cinco artigos. A partir da análise realizada verificou-se que os estudos que tratam do desempenho escolar, desempenho acadêmico ou rendimento acadêmico aproximam-se com relação as definições. Ainda, percebe-se que a maioria dos autores referem que o desempenho escolar ou acadêmico está relacionado com o aprendizado dos alunos expressado a partir das suas habilidades cognitivas. Com relação a conceituação identificou-se que apenas um estudo utilizou a expressão rendimento acadêmico (RA) associando-o à média semestral, ou seja, as notas de cada aluno que são utilizadas para avaliar seu rendimento (Sarrazola-Moncada, Soto-fadul, Carmona, García, Rojas, Tabares, &, Vásquez, 2017).  Os artigos de Dias, Montiel e Seabrad, (2014) e de Dias e Seabra (2017), relacionam as habilidades cognitivas ao desempenho escolar (DE), conceituando-o como a realização das solicitações da escola associadas às médias altas nas notas escolares. Santos e Fernandes (2016) também utilizam a expressão desempenho escolar, porém não definem o construto. Em outro estudo o desempenho acadêmico pode ser percebido mediante o envolvimento do aluno no âmbito comportamental, emocional e cognitivo (Maroco, Maroco, Campos, Campos, & Fredricks, (2016). Desse modo, um dos estudos relaciona o desempenho escolar/acadêmico diretamente ao aprendizado dos alunos expressado a partir das notas e demais artigos dão ênfase às habilidades cognitivas e ao envolvimento do estudante no âmbito escolar, principalmente no que diz respeito ao cumprimento das atividades solicitadas nas disciplinas.  Com base nesta breve revisão da literatura, pode-se perceber a ausência de estudos que conceituam, de maneira consensual, o desempenho escolar. Os estudos são focados em fatores que o influenciam ou sua relação com habilidades individuais, como de leitura e escrita. Sugere-se mais estudos que deem um real conceito ao desempenho escolar.

 

 


Referências


Asprilla, P., Franco, K., Morales, J., Moreno, F. (2017). Caracterización morfológica de la dentición permanente de un grupo de afrodescendientes de Istmina (Chocó, Colombia). Rev. Estomatol. 2017; 25(2):17-24. doi: 10.25100/re.v25i2.6499

Dias, N. M., Montiela, J. M., & Seabrad, A. G. (2014). Development and Interactions among Academic Performance, Word Recognition, Listening, and Reading comprehension. Psychology/Psicologia Reflexão e Crítica, 28(2), 404-415.

doi: 10.1590/1678-7153.201528221

Dias, N. M., Seabra, A. G. (2017). School performance at the end of elementar school: Contributions of intelligence, language, and executive functions. Estudos de Psicologia, Campinas 34(2) 315-326. doi.10.1590/1982-02752017000200012

Maroco, J., Maroco, A. L., Campos, J. A. D. B., Fredricks, J. A. (2016). University student’s engagement: development of the University Student Engagement Inventory (USEI). Psicologia: Reflexão e Crítica, 29(21), 1-12. doi: 10.1186/s41155-016-0042-8

Mahendra, F., Marin, A. H. (2015). Ambiente Familiar e Desempenho Escolar: Uma revisão sistemática. Psic. Da Ed., São Paulo, 40, 1º sem. De 2015, pp.41-57

Osti, A., & Martinelli, S. D. C. (2014). Desempenho escolar: Análise comparativa em função do sexo e percepção dos estudantes. Educação e Pesquisa, 40(1), 49-59. doi:10.1590/S1517-97022013005000021

Santos, A. A. A. dos., Fernandes, E. S. S. de O. (2016). Habilidade de escrita e compreensão de leitura como preditores de desempenho escolar. Psicologia Escolar e Educacional, 20 (3), 465-473.

doi: 10.1590/2175-3539201502031013

Sarrazola-Moncada, A. M., Soto-fadul, J. D, Carmona, L., García, M., Rojas, G., Tabares, V., Vásquez, M. (2017). Trastornos emocionales y rendimiento

académico en estudiantes de odontología. Rev. Estomatol. 25(2), 25-30.

doi: 10.25100/re.v25i2.6500

Silva Junior, M. F., Pacheco, K. T. S., Carvalho, R. B. de. (2015). Multiplicidade de atuações do acadêmico de Odontologia no estágio curricular: relato de experiência. Arq Odontol, Belo Horizonte, 51(4), 194-204. 10.7308 aodontol /2015.51.4.04

ISSNe 2178-1990