Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
Caracterização de uma amostra de profissionais de saúde: a necessidade de educação na área de minorias sexuais
Willian Roger Dullius, Lara Barros Martins

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


Diversidade sexual e de gênero é um complexo tema, mas tem sido cada vez mais compreendida e abrangida em muitas áreas sociais e de saúde. Para que a deficiência no ensino e na capacitação de profissionais na assistência à população LGBT+ possa ser resolvida ou minimizada, se faz necessário o investimento em recursos educacionais para proporcionar resultados positivos nos cuidados em saúde. O objetivo deste estudo é descrever os dados sociodemográficos e de oportunidades de treinamento de uma amostra de profissionais de saúde na assistência aos indivíduos LGBT+. Trata-se de um estudo quantitativo, exploratório e de corte transversal. A coleta de dados foi realizada por meio de questionário autoaplicável online, tendo as questões éticas respeitadas. O estudo foi composto por 319 profissionais de saúde e as análises descritivas dos dados apontaram que a maioria eram: indivíduos caucasianos, do gênero feminino, entre 26 e 35 anos de idade, católicos, com especialização e autônomos. As cinco categorias profissionais predominantes foram psicólogos, enfermeiros, médicos e assistentes sociais; com tempo de experiência profissional e de profissão de 10 anos ou mais, atuando no sudeste do país. Ao serem questionados quanto à realização de cursos sobre a assistência ao público LGBT+ no passado, 75,9% afirmaram não terem realizado nenhum curso nessa área; aqueles que relataram terem realizado algum treinamento foi há um ou dois anos (17,9%). Os profissionais afirmaram que a orientação sexual do cliente não é uma dificuldade para proporcionar-lhe assistência (71,5%), além de não ser um empecilho para a oferta de uma adequada assistência (95,3%). Ao serem questionados se a obtenção de conhecimento sobre assistência na área LGBT+ é dispensável ou indispensável, os profissionais relataram ser indispensável (92,8%) e ainda referiram ser muito importante receber treinamentos nesse tópico (49,2%). A educação continuada aos profissionais de saúde quanto a assistência às minorias sexuais necessita obter espaço no cotidiano de qualificação e formação profissional, uma vez que os dados reforçam o reconhecimento e a importância dos profissionais de saúde em obterem treinamento nesta área para proporcionar assistência adequada aos clientes.


Palavras-chave


análise de necessidades de treinamento; diversidade sexual; profissionais de sauúde