Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS: UM MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL
Bruna Marques Wojahn, Gabriel Zanatta Tocchetto

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo verificar a possibilidade de déficit financeiro no ato de negligenciar as indicações geográficas, analisando a situação econômica do caso do Vale dos Vinhedos, tendo como hipótese das Indicações Geográficas como elemento de geração de lucro mercadológico por haver uma valorização do produto específico e isso gerar uma maior circulação de capital na região, bem como conceituando as diferentes formas de Indicações Geográficas e seus requisitos para requerimento.

Palavras-chave


Indicações Geográficas. Desenvolvimento territorial. Agregação de Valor. Vinho.

Referências


BRASIL, 1996. Lei nº 9.279, de 14 de mao de 1996 – Lei da Propriedade Industrial. Brasília: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.


CALOÊTE, E.Q.M. Construção de uma estratégia de desenvolvimento para o APL do Vale dos Vinhedos. Brasília: CEPAL, 2007.


EMBRAPA, 2018. Indicações Geográficas de Vinhos do Brasil. Disponível em:< https://www.embrapa.br/uva-e-vinho/indicacoes-geograficas-de-vinhos-do-brasil> Acesso em: 12/07/2018.


EMBRAPA. Vale dos Vinhedos. Disponível em: < http://www.valedosvinhedos.com.br/vale/conteudo.php?view=44> Acesso em: 12/07/2018.


FALCADE I., Mandelli F., Flores C.A., Fasolo P.J., Potter R.O. Vale dos Vinhedos: Caracterização Geográfica da Região. Caxias do Sul: EDUCS, 1999.


FLORES, M.X. Da solidariedade social ao individualismo: um estudo sobre o

desenvolvimento do vale dos vinhedos na serra gaúcha. Tese. Doutorado em Sociologia Política. Florianópolis: UFSC, 2007.


GOLLO, S.S. Delineamento e aplicação de framework para análise das inovações numa perspectiva de processo interativo: estudo de caso da Indicação de Procedência Vale dos Vinhedos – Serra gaúcha/RS. Teoria e Evidência Econômica, v. 14, 2006.


INPI. Guia Básico de Indicação Geográfica. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica>. Acesso em 10/04/2018.


_____. Guia Básico de Indicação Geográfica. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica>. Acesso em 10/04/2018.


LAGES, Vinicius. LAGARES Léa. BRAGA. Christiano. Valorização de Produtos com Diferencial de Qualidade e Identidade: Indicações Geográficas e Certificações para Competividade nos Negócios. SEBRAE, 2005, 1ª edição.


LEONARDOS, Gustavo Starling. A data de aplicação no Brasil do Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio. Revista da ABPI n.º 17, Jul/Ago 1995, p. 6 e 12.


LOCATELLI, Liliana; SOUZA Karine. A Proteção Jurídica e o Processo de Reconhecimento das Indicações Geográficas no Brasil: Aspectos Introdutórios. In: Indicações Geográficas Desafios nos 20 anos da Lei de Propriedade Industrial. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2016.



OMPI Organização Mundial da Propriedade Intelectual – OMPI. Disponível em:

RODRIGUES, Maria Alice Castro e MENEZES, José Carlos Soares. A Proteção legal à Indicação Geográfica no Brasil. Revista da ABPI n.º 48, Set/Out 2000, p. 3.


SOUZA, Márcio Oliveira. Panorama Interno e Externo da Proteção às Indicações Geográficas. Revista da ABPI n.º 72, Set/Out 2004, p. 33.