Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
A EFETIVIDADE DA POLÍTICA DE RESERVA DE VAGAS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL - CAMPUS SERTÃO
MARIA CRISTINA KURTZ DE LIMA, HENRIQUE ANICETO KUJAWA

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


Este trabalho tem como objetivo avaliar a política de reservas de vagas indígenas no âmbito do ensino superior, identificando as ações desenvolvidas para implementação da Lei 12.711 e analisando a eficiência das ações afirmativas na comunidade indígena utilizando como referência o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul – Campus Sertão. O método adotado foi o qualitativo, com procedimento de estudo de campo. Concluiu-se que as ações afirmativas na sociedade atual tornam-se uma resposta efetiva, que apenas inicia ações que visam efetivar democracia e justiça aos indígenas, ao proporcionar oportunidades em relação à educação formal, em nível superior e técnico. Todavia, é preciso atentar para todas as questões relatadas nas entrevistas, que demonstram a necessidade das ações serem adaptadas constantemente, conforme a realidade que se apresenta no espaço educacional, para reduzir conflitos e viabilizar a interação entre índios e não índios. A educação é direito um direito fundamental para todos e os Institutos Federais de Educação Profissional, Científica e Tecnológica empreendem esforços para que as ações afirmativas se tornem cada vez mais efetiva, no que diz respeito ao ingresso e permanência dos estudantes indígenas.


Palavras-chave


Ações Afirmativas. Políticas Públicas Direitos. Indígena.

Referências


ALMEIDA, Samara Perez D.; PICOLOTTO, Everton L.; SPINELLI, Letícia Machado. Remoções e lutas dos Kaingang no norte do Rio Grande do Sul: a emancipação política Indígena compreendida a partir da teoria do reconhecimento. Mediações, Londrina, v. 22 n. 2, p. 72-98, jul./dez. 2017

BARROZO, Paulo Daflon. A ideia de igualdade e as ações afirmativas. Lua Nova, n. 63, 2004.

BELLO, Enzo. Políticas de ações afirmativas no Brasil: uma análise acerca da viabilidade de um sistema de cotas sociais para ingresso nas universidades. Direito, Estado e Sociedade, v.9, n. 26, p. 32 a 53 - jan/jun 2005.

BRASIL. Lei 12.711, de 29 de agosto de 2012
Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 04 abril 2018.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Argüição de descumprimento de preceito fundamental 186. Disponível em: http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=6984693. Acesso em: 27 mar 2017.

COELHO, E. Maria Beserra. Ações afirmativas e povos indígenas: o princípio da diversidade em questão. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rppublica/article/view/3802. Acesso em: 04 abril 2018.

DUARTE, A. C. A Constitucionalidade das Políticas de Ações Afirmativas. Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas/CONLEG/Senado, abril/2014 (Texto para Discussão nº 147). Disponível em: www.senado.leg.br/estudos. Acesso em 22 de abril de 2017.

CRUZ, Fabrício Bittencourt; KAN, Fernanda Van. Ações afirmativas: a polêmica em torno da constitucionalidade da política de cotas para negros no ensino superior público.  Publ. UEPG Humanit. Sci., Appl. Soc. Sci., Linguist., Lett. Arts, Ponta Grossa, v. 19, n. 2, p. 107-120, jul./dez. 2011.

KUJAWA, H. A. Conflitos envolvendo indígenas e agricultores no Rio Grande do Sul: dilemas de políticas públicas contraditórias. Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, v. 51, n. 1, jan/abr 2015.

KUJAWA, H. A.; TEDESCO, João Carlos. Demarcações de terras indígenas no norte do Rio Grande do Sul e os atuais conflitos territoriais: uma trajetória histórica de tensões sociais. Tempos Históricos, v.18, 2º Semestre, p. 67-88, 2014.

LOBATO, Anderson O. C.; BENEDETTI, Eduardo José. Negros e índios: ações afirmativas e a realização da justiça social. JURIS, Rio Grande, n. 17, p. 75-91, 2012.

MARCON, Telmo. Políticas de ação afirmativa no contexto da sociedade brasileira. R. bras. Est. pedag., Brasília, v. 93, n. 233, p. 11-33, jan./abr. 2012.

MOEHLECKE, S. Ação afirmativa: história e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 117, p. 197-217, novembro/ 2002.

MORAES, Guilherme P. Ações afirmativas no direito constitucional comparado. Revista da EMERJ, v. 6, n. 23, 2003.

PACHECO, Diego; DEMARCHI, Clovis. A (in)constitucionalidade das ações afirmativas frente ao princípio da igualdade. Revista Eletrônica de Iniciação Científica. Itajaí, Centro de Ciências Sociais e Jurídicas da UNIVALI. v. 2, n.3, p. 333-350, 3º quadrimestre de 2011.

PERON, Bruno. Debates, propósitos e indagações sobre a Lei das Cotas. Revista de Ciências Humanas, Viçosa, v. 12, nº 2, p. 329-341, jul./dez. 212.

PINO, V. A. F. Evasão e Permanência de Estudantes Indígenas no IFRS – Campus Sertão: Os discursos que permeiam o processo. Passo Fundo. Universidade de Passo Fundo –PPGL. Disponível em: https://secure.upf.br/pdf/2016VandaAparecidaFaveroPino.pdf

PIOVESAN, F.  Ações afirmativas da perspectiva dos direitos humanos. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 124, p. 43-55, jan./abr. 2005.

PIOVESAN, F. Ações afirmativas no Brasil: desafios e perspectivas. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 887-896, setembro-dezembro, 2008.

SANDEL, M J. Justiça – O que é fazer a coisa certa. 12 ed.  Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

SELL, S.C. Ação afirmativa e democracia racial: Uma introdução ao debate no Brasil. São Paulo: Fundação Boiteux, 2002.

SILVA, Maria Regina Ferreira. Ações afirmativas e direito fundamental à educação: uma análise à luz das cotas raciais universitárias. Revista Jurídica da Presidência, Brasília, v. 14 n. 104 Out., p. 665-680, 2012/Jan. 2013.

SOUZA, Oziel Francisco de. As ações afirmativas como instrumento de concretização da igualdade material. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Paraná. Curitibá: 2006.

 


Texto completo: PDF