Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
ENERGIA SOLAR: PANORAMA BRASILEIRO
Douglas Mioto Cerezoli, Leonardo Vinhaga, Camila Ricci

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


A utilização de recursos naturais não renováveis e altamente poluidores para geração de energia elétrica causam sérias consequências para o homem e para o ambiente, e por isso devem ser evitadas. No Brasil, grande parte da energia elétrica gerada é a partir de fontes naturais renováveis das quais destacam-se a hidráulica, eólica e solar. O presente estudo é direcionado ao entendimento da matriz de energia brasileira e da indicação da possibilidade de desenvolvimento do uso da luz solar para geração de energia elétrica. O Brasil possui uma extensa área territorial e altos níveis de irradiação solar, o que o torna, do ponto de vista energético, um país com alto potencial para geração de energia limpa e eficiente a partir da luz solar. Sendo assim, este artigo foi desenvolvido a partir da aplicação de um questionário com o intuito de identificar e perceber o entendimento da população em relação a este tema. Os resultados mostraram que 50% dos entrevistados possuem interesse sobre o sistema de geração de energia solar residencial. Já em relação a possibilidade de investimento nesta estratégia, o valor que 85% dos entrevistados investiriam para a obtenção de um sistema de geração de energia fotovoltaica residencial é de até R$ 10.000,00.

Palavras-chave


Eficiência Energética. Energias Renováveis. Energia Solar.

Referências


ALMEIDA, E.; ROSA, A. C. et al. ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. 2016.

DEPARTAMENTO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ENERGÉTICOS (DIE). Energia solar no Brasil e no mundo. Ano de referência – 2016. Brasil: Ministério das Minas e Energias (MME). 2017.

EMPRESA DE PESQUISAS ENERGÉTICAS (EPE). Avaliação da Eficiência Energética e Geração Distribuída para os próximos 10 anos (2013-2022). Brasil: Ministério das Minas e Energias (MME). 2013.

EMPRESA DE PESQUISAS ENERGÉTICAS (EPE). Avaliação da Eficiência Energética e Geração Distribuída para os próximos 10 anos (2015-2024). Brasil: Ministério das Minas e Energias (MME). 2016.

INTERNATIONAL ENERGY AGENCY (IEA). Snapshot of global photovoltaic markets. Mary Brunisholz, IEA PVPS, 2016.

JUNIOR, A. C. O. M et al. 2017. POTENCIAL DE GERAÇÃO DE ENERGIA SOLAR: O BRASIL E O MUNDO. 14ª Congresso Nacional de Meio Ambiente. Poços de Caldas.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Guia prático de eficiência energética: reunindo a experiência prática do projeto de etiquetagem: Ministério do Meio Ambiente e Ministério da Cultura. Brasília: MMA, 2014.

NASCIMENTO, R. L. (2017). ENERGIA SOLAR NO BRASIL: SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS: A crescente preocupação com a preservação do meio ambiente e a busca pela diversificação da matriz elétrica, associado com o aumento na demanda por energia. Estudo Técnico, Consultoria Legislativa.

NEO SOLAR. Disponível em: <https://www.neosolar.com.br/>. Acesso em: abril de 2018.

PEREIRA, E. B; MARTINS, F. R. et al. Atlas brasileiro de energia solar. 2º ed. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), São José dos Campos, SP, 2017.

PORTAL SOLAR. Disponível em: <https://www.portalsolar.com.br/calculo-solar>. Acesso em: abril de 2018.

SIMIONI, C. A. O USO DE ENERGIA RENOVÁVEL SUSTENTÁVEL NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA: obstáculos para o planejamento e ampliação de políticas sustentáveis. Tese de Doutorado, 2006. Universidade Federal do Paraná - Curitiba.


Texto completo: PDF