Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
Prevalência de Xerostomia e Fatores Associados em Município do Sul do Brasil – Um Estudo de Base Populacional
Luiza Dal Zot von Meusel, Luiza Paloma S. Girotto, Alexandra Silveira, Graziela Oro Cericatto

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


A saliva é um fluido essencial no corpo humano para a manutenção de tecidos bucais e saúde bucal. Alterações em quantidade ou a qualidade da saliva induzem várias mudanças na cavidade oral, incluindo a predisposição para cáries, infecções, gosto alterado, halitose, disfagia, disartria, falta de retenção de próteses e sensação de boca seca. A sensação de boca seca, ou xerostomia, é um sintoma subjetivo, caracterizado por um declínio na saliva podendo ser um sintoma de vários distúrbios e pode ser atribuído a várias causas como medicamentos, radioterapia de cabeça e pescoço, quimioterapia, Síndrome de Sjögren e doenças psicológicas. A xerostomia foi relatada afetar adversamente a qualidade da saúde bucal de vida ao interferir na fala, paladar e humor. Além disso, pacientes com boca seca é propensa a ter cárie dentária, doença periodontal e sensação de queimação, contribuindo também para a deterioração da qualidade de vida. O objetivo deste estudo foi verificar a prevalência de xerostomia na população do município de Passo Fundo e avaliar o impacto na qualidade de vida bem como a associação com doenças crônicas. O delineamento de escolha é o tipo transversal de base populacional, a amostra foi de 461 indivíduos, com erro amostral de 5%, nível de confiança de 95%, divididos e sorteados proporcionalmente de cada um dos 22 setores censitários do município. A análise estatística utilizada foi análise de Poisson, os dados foram analisados por meio do programa Stata® (StataCorp.LP) - versão 12. Pessoas que não estão trabalhando (10,97%) e/ou nunca trabalharam (2,58%) tem menos chance de autorrelatar xerostomia. Xerostomia impacta na avaliação de saúde geral do indivíduo, pessoas sem xerostomia classificam a saúde como boa e muito boa, majoritariamente, enquanto que as pessoas com xerostomia classificam como boa, regular e ruim (1.60(1.27;2.01)). Hipertensão (1.95(1.33;2.86)), depressão (1.66(1.11;2.47)) e diabetes  (2.17(1.32;3.57)) podem ser considerados fatores de risco para xerostomia pela análise de regressão bruta. Concluiu-se que a xerostomia tem impacto negativo na qualidade de vida da população, principalmente em pacientes que já apresentam outras doenças sistêmicas como hipertensos, diabéticos e pessoas com depressão.


Palavras-chave


xerostomia; dry mouth; oral health-related quality of life.

Referências


1. Alaraudanjoki V., Laitala ML; Tjäderhane L, Pesonen P, Lussi A, Ronkainen J, Anttonen V. Influence of Intrinsic Factors on Erosive Tooth Wear in a Large-Scale Epidemiological Study. Carie Res. v. 50, n. 5, p.508-516, 2016.

2. Benn AM, Broadbent JM, Thomson WM. Occurrence and impact of xerostomia among dentate adult New Zealanders: findings from a national survey. Aust Dent J. v. 60, n. 3, p. 362-7, 2015.

3. Castrejón-Pérez RC1, Borges-Yáñez SA, Gutiérrez-Robledo LM, Avila-Funes JA. Oral health conditions and frailty in Mexican community-dwelling elderly: a cross sectional analysis. BMC Public Health. 2012.

4. Gonzalez S, Sung H, Sepulveda D, Gonzalez M, Molina C. Oral manifestations and their treatment in Sjogren’s syndrome. Oral Dis. v.20, n.2, p. 153-16, 2014.

5. Hahnel S, Schwarz S, Zeman F, Schafer L, Behr M. Prevalence of xerostomia and hyposalivation and their association with quality of life in elderly patients in dependence on dental status and prosthetic rehabilitation: a pilot study. J Dent. v.42, n.6, p 664-670, 2014.

6. Hopcraft MS, Tan C. Xerostomia: an update for clinicians. Aust Dent J. v.55, n. 3, p.238-244, 2010.

7. Iwasaki M, Yoshihara A, Ito K, Sato M, Minagawa K, Muramatsu K, Watanabe R, Manz MC, Ansai T, Miyazaki H. Hyposalivation and dietary nutrient intake among community-based older Japanese. Geriatr Gerontol Int., v. 16, n. 4, p. 500-7, 2016.

8. Johansson AK1, Johansson A, Unell L, Ekbäck G, Ordell S, Carlsson GE. Self-reported dry mouth in Swedish population samples aged 50, 65 and 75 years. Gerodontology. v. 29, n. 2, p. 107-15. 2012.


9. Lee YS, Kim HG, Moreno K. Xerostomia Among Older Adults With Low Income: Nuisance or Warning? J Nurs Scholarsh. v. 48, n. 1, p. 58-65, 2016.


10. Niklander S1, Fuentes F1, Sanchez D1, Araya V1, Chiappini G1, Martinez R1, Marshall M1. Impact of 1% malic acid spray on the oral health-related quality of life of patients with xerostomia. J Oral Sci. v. 60, n. 2, p. 278-284, 2018.

11. Niklander S, Veas L, Barrera C, Fuentes F, Chiappini G, Marshall M. Risk factors, hyposalivation and impact of xerostomia on oral health related quality of life. Braz Oral Res. v.31, n. 14, 2017.

12. Ohara Y, Hirano H, Yoshida H, Obuchi S, Ihara K, Fujiwara Y, Mataki S. Prevalence and factors associated with xerostomia and hyposalivation among community-dwelling older people in Japan. Gerodontology. V. 33, n. 1, p. 20-7, 2016.

13. Rawal S, Hoffman HJ, Bainbridge KE, Huedo-Medina TB, Duffy VB. Prevalence and Risk Factors of Self-Reported Smell and Taste Alterations: Results from the 2011-2012 US National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES). Chem Senses. v. 41, n. 1, p. 69-76, 2016.

14. Willumsen T, Fjaera B, Eide H. Oral health related quality of life in patients receiving home-care nursing: associations with aspects of dental status and xerostomia. Gerodontology. v. 27, p. 251-257, 2010.