Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
Coristoma intrabucal - relato de caso
Debora Coronetti, Débora Oliboni, Alessandra Burille, Ataiane Bacchi, Vinícius Fabris

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


Coristomas são lesões benignas presentes desde o nascimento, com pequeno ou sem potencial para o crescimento, formadas por tecidos normais que, habitualmente, não são encontrados na região envolvida, ou o deslocamento de um órgão ou parte dele de sua posição normal. Estão presentes por uma falha na migração durante a embriogênese e são compostos por restos ectópicos de tecido normal. Na cavidade oral é rara e com recorrência incomum, é mais freqüentemente encontrado no dorso da língua, próximo ao forame cego e às papilas circunvaladas, mais prevalente no gênero feminino, na terceira e quarta décadas de vida. O objetivo deste é apresentar um caso de coristoma intrabucal, diagnosticado através do exame anatomopatológico onde foi removido cirurgicamente, sem intercorrências. Uma paciente de 36 anos procurou a clínica odontológica, onde foi observado nódulo palpável, assintomático na região da mandíbula, então foi solicitado, uma radiografia panorâmica, onde foi detectado uma imagem radiopaca difusa na região de ramo ascendente de mandíbula, na altura do molar superior, onde foi posteriormente realizada  uma biópsia excisional sob anestesia local e retirada a lesão, por meio de uma incisão próximo ao local da lesão utilizando lâmina de bisturi 15C e divulsão dos tecidos com tesoura de Matzembaum, ao localizar o coristoma, o mesmo foi pinçado por pinça Allis e removido da cavidade cuidadosamente, onde mediu 1,0x0,8x0,5 cm, e posteriormente foi realizada a sutura no local, com fio de sutura Mononylon 5-0. O fragmento da lesão, armazenado em Formol 10%, foi encaminhado para serviço de patologia para exame anatomopatológico e confirmação do diagnóstico. Como se trata de uma lesão intrabucal rara, principalmente na região mandibular, é importante que o cirurgião-dentista reconheça e esteja atento à sua ocorrência, devendo realizar o diagnóstico e tratamento adequado, bem como proservação clínica depois da remoção cirúrgica, mesmo diante da ausência de sinais e/ou sintomas de recidivas.

Coristoma. Intrabucal. Lesão benigna. Anatomopatológico

Palavras-chave


Coristoma. Intrabucal. Lesão benigna. Anatomopatológico