Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
EFEITO DA TÉCNICA DE CIMENTAÇÃO SOBRE O COMPORTAMENTO EM FADIGA DE COROAS MONOLÍTICAS CERÂMICAS DE DISSILICATO DE LÍTIO USINADAS EM CAD/CAM
Emely Silvestrini, Gabriel Kalil Rocha Pereira, Ricardo Schestatsky, Camila Pauleski Zucuni

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


Introdução: Coroas de dissilicato de lítio têm sido amplamente utilizadas na clínica por apresentarem taxas de sucesso de até 95% em acompanhamentos de 10 anos [1]. Convencionalmente preconizasse o uso de condicionamento ácido seguido por aplicação de silano como tratamento para promover adequada adesão, entretanto recentemente foi introduzido um sistema de passo único para simplificar esse protocolo. Logo, este estudo objetivou comparar o comportamento mecânico em fadiga de restaurações monolíticas cerâmicas a base de dissilicato de lítio fresado por CAD/CAM, cimentadas adesivamente em um análogo de dentina através de dois protocolos de tratamento de superfície.

Metodologia: 20 coroas monolíticas (DLCAD – IPS e.max CAD, Ivoclar Vivadent) foram confeccionadas, randomizadas (n=10) e então cimentadas adesivamente em troquéis de resina epóxi, empregando 2 protocolos: convencional – condicionamento ácido fluorídrico/silanização/cimento [HF]; ou simplificado – Monobond Etch&Prime/cimento [EP]), ambos utilizando o cimento resinoso dual Multilink-Automix. Foi executada a foto-polimerização por 20 seg em cada face da coroa e os espécimes permaneceram em estufa a 37ºC em água por 3 dias. O teste de fadiga foi executado seguindo o método de stepstress (Carga inicial de 400N, step de 100N a cada 15,000 ciclos, frequência de 20 Hz).

Análise de Dados: Dados de carga e números de ciclos para fratura foram coletados e submetidos a análise de sobrevida (Kaplan Meier e Mantel-Cox), ANOVA 1-fator e Weibull.

Resultados: A estratégia de cimentação não influenciou estatisticamente os desfechos avaliados (Carga para Falha: DLCAD[HF] – 1220 = DLCAD[EP] – 1200; Ciclos para Falha: DLCAD[HF] – 144,500 = DLCAD[EP] – 140,000) embora a análise de Weibull tenha demonstrado confiabilidade superior para o protocolo simplificado (Módulo de Weibull para Carga: DLCAD[HF] – 7.64 < DLCAD[EP] – 13.68; Módulo de Weibull para Ciclos: DLCAD[HF] – 5.7 < DLCAD[EP] – 10.55).

Conclusão: O protocolo de cimentação não influência a resistência e o número de ciclos para falha em fadiga de restaurações monolíticas cerâmicas a base de dissilicato de lítio fresadas em CAD/CAM, embora o protocolo simplificado resulte em superior confiabilidade mecânica.

* Projeto suportado pelo Edital FAPERGS ARD 01/2017.


Palavras-chave


Cerâmicas Odontológicas, Cimentação, Adesão e Fadiga.

Referências


1-      Kassardjian V, Varma S, Andiappan M, Creugers NH, Bartlett D. A systematic review and meta analysis of the longevity of anterior and posterior all-ceramic crowns. J Dent 2016;55:1-6.