Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
Esquemas iniciais desadaptativos em indivíduos com diagnóstico de obesidade
Roberta Bilibio Westphalen, Cristina Della Mea

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


A obesidade, caracterizada pelo excesso de gordura corporal acumulada é o problema que mais preocupa a saúde pública no mundo. O tratamento envolve reeducação alimentar, atividade física, acompanhamento psicológico e medicação. Os esquemas iniciais desadaptativos (EIDs) são estruturas estáveis, desenvolvidos pela experiência de vivências que causam perdas significativas relacionadas as necessidades emocionais do ser humano. Essa pesquisa teve como objetivo verificar quais são os esquemas iniciais desadaptativos em indivíduos com diagnóstico de obesidade. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica narrativa. Os EIDs mais encontrados em pessoas com sobrepeso ou obesidade são do domínio de desconexão e rejeição (abandono/instabilidade, privação emocional) e do domínio de limites prejudicados (autocontrole e autodisciplina insuficientes).  Isso pode ser relacionado a uma falha das necessidades de cuidado e proteção na infância, bem como a uma dificuldade em cumprir com metas e objetivos no cotidiano. Conclui-se que a identificação dos EIDs em indivíduos obesos, bem como a indicação da terapia do esquema é uma alterativa de tratamento a fim de auxiliar esses indivíduos a fazerem escolhas por um estilo de vida saudável.


Palavras-chave


esquemas iniciais desadaptativos, obesidade, compulsão alimentar, terapia do esquema.

Referências


American Psychiatric Association. (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (5a ed.) Porto Alegre, RS: Artmed.

Anderson, S. E., Cohen, P., Naumova, E. N., & Must, A. (2006). Association of depression and anxiety disorders with weight change in a prospective community based study of children followed up into adulthood. Archives of pediatrics & adolescent medicine, 160 (3), 285-291. doi: 10.1001/archpedi.160.3.285

Anderson, K., Rieger, E., & Caterson, I. (2006). A comparison of maladaptive schemata in treatment-seeking obese adults and normal-weight control subjects. Journal of Psychosomatic Research, 60 (3), 245-252. doi: 10.1016/j.jpsychores.2005.08.002

Beck, J. S. (2011). Pense magro por toda a vida. Porto Alegre, RS: Artmed.

Bernardi, F., Chichelero, C., & Vitolo, M. R. (2005). Comportamento de Restrição Alimentar e Obesidade. Revista de Nutrição, 18 (1), 85-93. doi:10.1590/S1415-52732005000100008

Boscardin, M. K., & Kristensen, C. H. (2011). Esquemas iniciais desadaptativos em mulheres com amor patológico. Revista de Psicologia da IMED, 3 (1), 517-526.doi: 10.18256/2175-5027/psico-imed.v3n1p517-526

Bowlby, J. (1988). A secure base: clinical applications of attachment theory. London: Routledge.

Brasil. (2014). Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Obesidade. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estrategias_cuidado_doenca_cronica_obesidade_cab38.pdf

Brasil. (2017). Vigitel Brasil 2016 Saúde Suplementar: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Recuperado de http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/02/vigitel-brasil-2016.pdf

Castro, M. R., Ferreira V. N., Chinelato, R. C., & Ferreira, M. E. (2013). Imagem corporal em mulheres submetidas à cirurgia bariátrica: Interações socioculturais. Motricidade, 9(3), 82-95. doi:10.6063/motricidade.9(3).899

Cortez, C. M., Araujo, E. A., & Ribeiro, M. V. (2011). Transtorno de compulsão alimentar periódico e obesidade. Arquivos Catarinenses de Medicina, 40(1), 94-102. Recuperado de http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/855.pdf

Cazassa, M. J., & Oliveira, M. da S. (2012). Validação brasileira do questionário de esquemas de Young: forma breve. Estudos de Psicologia (Campinas)29(1), 23-31. doi: /10.1590/S0103-166X2012000100003

Cruz, S.H., Zanon, R.B., & Bosa, C.A. (2015). Relação entre Apego e Obesidade: Revisão Sistemática da Literatura. Psico, 46 (1), 6-15. doi: 10.15448/1980-8623.2015.1.13227

Duarte, A. L. C., Nunes, M. L. T., & Kristensen, C. H. (2008). Esquemas desadaptativos: revisão sistemática qualitativa.  Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 4 (1), 0-0.doi: 10.5935/1808-5687.20080004.

Falcone, E. M. O. (2014). Terapia do Esquema. In W.V. Melo (Org.), Estratégias psicoterápicas e a terceira onda em terapia cognitiva (pp. 24-56). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Finger, I. R., & Oliveira, M. S. (2016). A prática da terapia cognitivo-comportamental nos transtornos alimentares e obesidade. Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Ghisio, M. S., Ludtke, L., & Seixas, C. E. (2016). Análise comparativa entre a Terapia Cognitivo-Comportamental e a Terapia do Esquema. Revista Brasileira de Psicoterapia, 18(3), 17-31. Recuperado de http://rbp.celg.org.br/detalhe_artigo.asp?id=210

Gomes, A. Q., & Nobre, P. (2012). Early maladaptive schemas and sexual dysfunction in men. Archives of Sexual Behavior, 41(1), 311-320.  doi: 10.1007/s10508-011-9853-y.

Graziano, P. A. Calkins, S. D., & Keane, S. P. (2010). Toddler self-regulation skills predict risk for pediatric obesity. International Journal of Obesity, 34, 633-641. doi: 10.1038/ijo.2009.288

Imperatori, C., Innamorati, M., Leste, D., Continisio, M., Balsamo, M., Saggino, A. & Fabbricatore, M. (2017). The Association between Food Addiction and Early Maladaptive Schemas in Overweight and Obese Women: A Preliminary Investigation. Nutrients, 9 (11), 1-10. doi: 10.3390/nu9111259.

Lima, A. C. R. de, & Oliveira, A. B. (2016). Fatores psicológicos da obesidade e alguns apontamentos sobre a terapia cognitivo-comportamental. Mudanças – Psicologia da Saúde, 24 (1), 1-14.  doi: 10.15603/2176-1019/mud.v24n1p1-14

Luz, F. Q. (2013). Distorções cognitivas, esquemas iniciais desadaptativos, depressão, ansiedade e estresse em obesos mórbidos e pessoas com peso normal (Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande Do Sul, Porto Alegre, Brasil). Recuperado de http://tede2.pucrs.br:8080/tede2-/bitstream/tede/852/1/456146.pdf

Luz, F. Q., Sainsbury, A., Hay, P., Roekenes, J. A., Swinbourne, J., Silva, D. C., & Oliveira, M. S. (2017). Early Maladaptive Schemas and Cognitive Distortions in Adults with Morbid Obesity: Relationships with Mental Health Status. Behavioral sciences 7 (1), 1-11. doi: 10.3390/bs7010010

Mancini, M. C., Geloneze, B., Salles, J. E. N., Lima, J. G., & Carra, M. K. (2010). Tratado de obesidade. Itapevi, SP: AC Farmacêutica.

Melo, W. V., Bergamann, C., Neufeld, C. B., Machado, P. P. P., & Conceição, E. (2014). A terapia cognitivo-comportamental e a cirurgia bariátrica como tratamentos para a obesidade. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 10(2), 84-92. doi:10.5935/1808-5687.20140014

Moloodi, R., Dezhkam, M., Mootabi, F., & Omidvar, N. (2010). Comparison of early maladaptive schema in obese binge eaters and obese non-binge eaters. Journal of Behavioral Sciences, 4(2), 9-10. doi: 10.1023/A:1005510027890.

Oliveira, L. H., & Almeida, P. (2012). Obesidade: Aspectos gerais dos fatores, tratamento e prevenção. Revista Polidisciplinar Eletrônica da Faculdade de Guairacá, 4(2), 34-46. Recuperado de http://www.revistavoos.com.br/seer/index.php/voos/article/view/224/03_Vol4.2_VOOS2012_CL

Oliveira, A. P., & Silva, M. (2014). Fatores que dificultam a perda de peso em mulheres obesas de graus I e II. Revista Psicologia e Saúde, 6 (1), 74-82. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-093X2014000100010&lng=pt&tlng=pt.

Pretzer, J. L., & Beck A. T. (2004). A cognitive teory of personality disorders. In M. F. Lenzenweger, & J. F. Clarkin (Eds.), Major theories of personality disorder (2nd ed., pp. 36-105). New York: Guilford Press.

Renner, F., Lobbestael, J., Peeters, F., Arntz, A., & Huibers, M. (2012). Early maladaptive schemas in depressed patients: stability and relation with depressive symptoms over the course of treatment. Journal of Affective Disorders, 163(3), 581-590. doi: 10.1016/j.jad.2011.10.027

Shorey, R. C., Stuart, G. L., & Anderson, S. (2012). The early maladaptive schemas of an opioid-dependent sample of treatment seeking young adults: a descriptive investigation. Journal of Substance Abuse Treatment, 42(3), 271-278.  doi: 10.1016/j.jsat.2011.08.004.

Susin, N., Carvalho, C. S., & Kritensen, C. H. (2014). Esquemas desadaptativos e sua relação com o transtorno de estresse pós-traumático: uma revisão sistemática. Estudos de Psicologia, 31(1), 85-95. doi: 10.1590/0103-166X2014000100009.

Silva, J. G., Cazassa, M. J., Oliveira, M. S., & Gauer, G. C. (2012). Avaliação dos Esquemas Iniciais Desadaptativos: estudo psicométrico em alcoolistas. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 61(4), 199-205. doi: 10.1590/S0047-20852012000400002.

Wainer, R. Paim, K., Erdos, R., & Andriola, R. (2016). Terapia cognitiva focada em esquemas- integração em psicoterapia. Porto Alegre, RS: Artmed.

Wanderley, E. N., & Ferreira, V. A. (2007). Obesidade: Uma perspectiva plural. Ciência & Saúde Coletiva, 15(1), 185-194. doi:10.1590/S1413-81232010000100024

World Health Organization. (2013). Obesity and overweight. Recuperado de http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/en/index.html, atualizado em Junho

World Health Organization. (2014). Obesity and overweight. Fact Sheets. Recuperado de http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/en/

Young, J. E. (2003). Terapia cognitiva para transtornos da personalidade: uma abordagem focada nos esquemas. Porto Alegre, RS: Artmed.

Young, J. E., Klosko, J. S., & Weisharr, M. E. (2008). Terapia do esquema: Guia de técnicas cognitivo-comportamentais inovadoras. Porto Alegre, RS: Artmed.


Texto completo: PDF