Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
Relação da Idade e da Escolaridade no Desempenho de Adultos Idosos no Teste de Aprendizagem Auditivo-Verbal de Rey
VANIZE POZZER, CAMILA ROSA DE OLIVEIRA

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


Queixas de memória episódica são frequentes em adultos idosos e podem estar associadas a transtornos neurocognitivos, como a Doença de Alzheimer (Zibetti, Rodrigues, & Wagner, 2016), e o Teste de Aprendizagem Auditivo-Verbal de Rey (RAVLT) é um dos principais instrumentos utilizados para avaliar essa habilidade (de Paula, & Malloy- Diniz, 2018). Contudo, a idade e a escolaridade podem influenciar no desempenho de adultos idosos em testes de memória episódica, sendo variáveis importantes a serem consideradas na obtenção de normas de desempenho desses instrumentos (Barroso, Amaral, Delgado, & Mármora, 2014; Lundervold, Wollschläger, & Wehling, 2014). O objetivo desse estudo foi verificar a relação entre a idade e a escolaridade no desempenho do RAVLT em adultos idosos. Participaram 140 adultos com idades entre 60 e 91 anos (M = 69,22; DP = 6,63), escolaridade entre 2 e 25 anos de ensino formal (M = 12,99; DP = 4,86), sendo 81% mulheres (n = 113). Excluíram-se os adultos idosos que apresentaram indícios de declínio cognitivo e sintomas depressivos significativos. Os participantes responderam a um questionário sociodemográfico, à Escala de Depressão Geriátrica, versão reduzida, ao Mini Exame do Estado Mental e ao RAVLT. A relação entre as variáveis foi analisada por meio de correlação de Pearson. Encontraram-se associações negativas entre idade e os escores de memória episódica de evocação imediata (r = -0,301; p ≤ 0,001), tardia (r = -0,357; p ≤ 0,001) e memória de reconhecimento (r = -0,198; p = 0,019) do RAVLT; e associações positivas entre escolaridade e memória episódica de evocação imediata (r = 0,225; p = 0,007) e tardia (r = 0,228; p = 0,007) do RAVLT. Não foram encontradas associações significativas entre as demais variáveis. Os dados demonstraram que quanto maior a idade, menor é o desempenho nas habilidades de memória episódica de evocação imediata e tardia, e memória de reconhecimento. Ainda, quanto maior a escolaridade, maior é o desempenho em memória episódica de evocação imediata e tardia. Esse resultado demonstra que é necessária a obtenção de normas de desempenho em instrumentos que investiguem memória episódica que considerem tanto a idade quanto a escolaridade da população-alvo. Dessa forma, é possível contribuir no processo de diagnóstico neuropsicológico, além de ampliar as evidências de validade e de fidedignidade dos instrumentos cognitivos.

 

 


Palavras-chave


memória episódica; escolaridade; idade; desempenho; instrumentos cognitivos.

Referências


Referências

Barroso, R. B., Amaral, T. C. N., Delgado, F. E. F., & Mármora, C. H. C. (2014). Relação entre a competência funcional da memória episódica e os fatores associados à independência funcional de idosos saudáveis. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 17(4), 751-762. doi:10.1590/1809-9823.2014.13118

de Paula J. J., & Malloy-Diniz L. F. (2018). Teste de Aprendizagem Auditiva-verbal de Rey- RAVLT. São Paulo, SP: Vetor

Lundervold, A. J., Wollschläger, D., & Wehling, E. (2014). Age and sex related changes in episodic memory function in middle aged and older adults. Scandinavian Journal of Psychology, 55(3), 225-232. doi:10.1111/sjop.12114

Zibetti M. R., Rodrigues J. C., & Wagner G. P. (2016). Psicodiagnóstico e alterações neurocognitivas em idosos. In C. S Hutz, D. R. Bandeira, C. M. Trentini, & J. F. Krug (Orgs.), Psicodiagnóstico (pp. 382-395). Porto Alegre, RS: Artmed