Portal de Conferências da IMED, XII Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e XI Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação IMED 2018

Tamanho da fonte: 
A OMISSÃO DE POTÊNCIAS MUNDIAIS FRENTE AO GENOCÍDIO GRADUAL OCORRIDO EM PAÍSES AFRICANOS
Henrique Kauer Orihuela, Leilane Serratine Grubba

Última alteração: 2018-09-03

Resumo


O artigo tem por tema os Direitos Humanos e a problemática do genocídio. Frente às guerras causadas por interesses políticos, territoriais ou por recursos naturais, por exemplo, parece existir um choque entre o poder de potências mundiais e a delimitação desse poder por parte da Organização das Nações Unidas e dos Direitos Humanos. Sabe-se também que, em decorrência disso, líderes mundiais buscam de certa forma, burlar tais delimitações sem atrair atenção e receber represálias. Busca-se assim, questionar se, e de quais formas, essas ações de interesses de grandes potências estão levando à um possível genocídio gradual na África; pesquisar movimentos políticos de cunho internacional, buscando formas de amenizar os conflitos que depreciam a dignidade humana, no caso em localidades africanas, e incentivar outros pesquisadores em aderirem a estudos relacionados ao assunto para novas soluções para problemas idênticos ou que possuem algum tipo de vínculo com a temática. Para tanto, utilizar-se-á de revisões bibliográficas, visando trazer um breve histórico que auxilie a entender ações das potências mundiais, bem como a história da África e o que há por trás das dificuldades do referido continente.


Palavras-chave


Africa; Genocídio; Eurocentrismo

Referências


ALMEIDA, DA SILVA Magali. Desumanização da população negra: genocídio como princípio tácito do capitalismo. Revista Em Pauta, v. 12, n. 34, 2015.

 

BORGES, Cláudio Klippel. O colonialismo e a partilha da África: uma abordagem a partir das obras literárias de Joseph Conrad e Mário Vargas Llosa. 2013.

 

BORGES, Corine Figueiredo. A prevenção do Crime de Genocídio. Disponível em https://www.verbojuridico.net/doutrina/2011/corineborges_prevencaocrimegenocidio.pdf. Acesso em 26 de junho de 2018.

 

CONCEIÇÃO, Maria Telvira. Os Discursos da Racialização da África nos Livros Didáticos Brasileiros de História (1950 a 1995). Educação & Realidade, v. 42, n. 1, 2017

 

FERREIRA, Fernanda Machado et al. África de ontem, África de hoje, resquícios da permanência. Revista de História Contemporânea, n. 2, 2008.

 

TRAJANO FILHO, Wilson; DIAZ, Juliana Braz. O colonialismo em África e seus legados: classificação e poder no ordenamento da vida social. Anuário Antropológico, v. 40, n. 2, p. 9-22, 2015.

 

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Império. 3ª edição. Rio de Janeiro: Editora Record, 2001.

PELZ, DANIEL. Ossadas, caveiras e a reconciliação com o passado colonial. Disponível em < http://www.dw.com/pt-002/ossadas-caveiras-e-a-reconcilia%C3%A7%C3%A3o-com-o-passado-colonial/a-43350340 >. Acesso em 02 de junho de 2018.

 

MELO, Débora de Jesus Lima. Os (des)conhecimentos sobre as culturas africanas: eurocentrismo e descolonização do saber. Revista Fórum Identidades, 2016.

 

NASCIMENTO, Abdias do. Genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

SOUZA, Janine Pacheco. A convenção para a prevenção e repressão do crime de genocídio (1948). Relações Internacionais e Direitos humanos, 2011.

 

SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Editora Companhia das Letras, 2007.

 

WEINER, Melissa F. O fardo holandês: escravidão, África e imigrantes nos livros de história da escola primária na Holanda. Sociologias, v. 17, n. 40, 2015.