Portal de Conferências da IMED, IX Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e VIII Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação da IMED 2015

Tamanho da fonte: 
USO ABUSIVO DE PSICOFÁRMACOS: MEDICALIZAÇÃO DA VIDA E CONSEQUÊNCIAS PSICOSSOCIAIS
MARIANA TORTELLI BEUX, Israel Kujawa

Última alteração: 2015-11-25

Resumo


Através de uma revisão de literatura o presente estudo objetiva analisar os determinantes que levam os indivíduos recorrem à utilização de psicofármacos como forma de cura rápida e indolor dos seus agravos e inquietações. A utilização de psicofármacos no Brasil vem crescendo nos últimos anos, dessa forma, é indispensável investigar o emprego terapêutico dessas substâncias na população, promovendo o uso racional de medicamentos. Os altos índices de medicalização são amparados no pensamento originário do século XVII de que o corpo é uma máquina, um objeto; promovendo o alívio do sofrimento psíquico de forma imediata; mantendo o ritmo de produção, as atividades e as interações sociais. Nesse sentido faz-se necessário um estudo minucioso sobre a realidade atual da medicalização da vida, levando em conta a ideia de que hoje em dia não é permitido sofrer e que tudo deve ser tratado de forma ágil e eficiente.

Palavras-chave


Medicalização; Psicofármacos; Uso Racional de Medicamentos

Texto completo: PDF