Portal de Conferências da IMED, IX Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e VIII Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação da IMED 2015

Tamanho da fonte: 
Uma doença de de alta prevalência: Herpesvíus tipo 1:
Valesca Pilatti, Letícia Barossi, Clarice Saggin Sabadin

Última alteração: 2015-12-01

Resumo


O objetivo desse trabalho foi realizar uma revisão de literatura sobre o herpes simples ou Herpesvirus tipo 1. Os herpes vírus humanos fazem parte da família de vírus conhecida como Herpesviridae, presente em diferentes espécies. Os vírus são transmitidos por contato direto entre indivíduos e proximadamente 90% da população já teve contato com o vírus, ainda que, apenas 40%dos infectados desenvolvam a doença. Os herpesvírus possuem uma característica importante, são capazes de estabelecer latência, ou seja, uma vez infectado, o vírus se estabelece, principalmente no gânglio trigêmio na forma inativa, até o momento que, por uma série de fatores como estresse, desencadeia a reativação viral originado diferentes manifestações clínicas. O Herpes simplex (HSV1) pode, frequentemente, causar lesões nos lábios e no interior da boca,  infecções oculares e nas narinas. O processo se inicia com uma pequena mancha pápulo-erimatosa, que, posteriormente, origina uma vesícula contendo em seu interior, um líquido com elevada concentração de partículas virais infecciosas. Em casos mais graves pode também levar a uma infecção no sistema nervoso, chamada encefalite viral. A infecção por HSV-1 não tem cura e, na grande maioria dos casos não necessitam tratamento. A medicação pode ser utilizada na forma tópica sob as lesões, entretanto, indivíduos que apresentam manifestações graves, generalizadas e/ou prolongadas, com comprometimento do sistema imunológico, ou ainda  aquelas com recorrência frequente é indicada a supervisão médica e a utilização de  medicamentos antivirais.


Palavras-chave


Herpes Simplex, Herpes Oral, Latência

Texto completo: PDF