Portal de Conferências da IMED, IX Mostra de Iniciação Científica e Extensão Comunitária e VIII Mostra de Pesquisa de Pós-Graduação da IMED 2015

Tamanho da fonte: 
Percepção materna sobre a saúde bucal
Michele Natara Portilio, Jaqueline Dalazen, Raíssa Rigo Garbin, Lilian Rigo

Última alteração: 2015-11-27

Resumo


O atendimento ao bebê e, consequentemente, a educação e motivação dos pais em relação à saúde bucal são as formas mais práticas, simples, eficazes e de baixo custo para se realizar programas de saúde pública.  O objetivo da presente pesquisa foi conhecer o perfil das mães e verificar a sua percepção em relação à saúde bucal de seus filhos. Para amostra foram selecionadas todas as mães de crianças de até 1 ano de idade que frequentaram o Posto Central de Saúde do município de Íjui nos meses de janeiro a julho de 2014, compondo uma amostra de 79 mães. O estudo tem o delineamento observacional do tipo descritivo, e utilizou como instrumento de coleta de dados, um questionário auto-aplicativo para as mães. De acordo com os resultados, pode-se verificar que as mães da amostra da pesquisa têm idade entre 15 e 37 anos, frequentaram o Ensino Médio completo e trabalham fora de casa. As mães realizaram o pré-natal, mas, não receberam orientações odontológicas durante a gestação. Elas acompanharam seu bebê ao dentista para a primeira consulta dentária no primeiro ano de idade do filho, realizaram amamentação natural até os seis meses de idade e acreditam que o uso da mamadeira e da chupeta são prejudiciais aos dentes. As mães realizam a higiene dos dentes de seus filhos desde a erupção do primeiro dente decíduo e sabem que a cárie dentária é uma doença transmissível e que o leite materno pode ser a causa desta doença. Identifica-se a importância de programas de assistência materno-infantil com foco nas orientações odontológicas voltadas para a saúde bucal dos bebês, com o intuito de evitar o atendimento odontológico precoce das crianças.


Palavras-chave


Higiene bucal; Percepção; Mães.

Texto completo: PDF