Portal de Conferências da IMED, V Mostra de Trabalhos do V Congresso Internacional de Propriedade Intelectual, Gestão da Inovação e Desenvolvimento - “A

Tamanho da fonte: 
TEORIZANDO UMA TECNOLOGIA DE GEOLOCALIZAÇÃO UTILIZANDO BROADCASTS DE REDES GSM, 3G E 4G
Cassiano Calegari, Éderson Tiago Szlachta, Ronaldo Jorge Fuzinato

Última alteração: 2017-05-03

Resumo


Dispositivos móveis, em especial telefones celulares, com capacidades GSM emitem sinais de broadcast frequentemente para estabelecer conexão com antenas próximas. Esses sinais são emitidos de forma omnidirecional e podem ser captados por qualquer dispositivo ouvindo as frequências certas (entre 850mhz e 1900mhz, dependendo da região e tipo de sinal).

Questiona-se a possibilidade de triangular estes sinais de broadcast para fins de controle de massas e rastreamento de pessoas em ambientes urbanos?

O projeto constitui na utilização de pequenos módulos autônomos, baseados em Raspberry PI com antenas com alcance de até 500m para captar e triangular os boardcasts emitidos pelos dispositivos em uma determinada região. Os módulos serão encarregados de captar os sinais e sua intensidade na frequência monitorada e enviar para um servidor que realizará a triangulação dos dispositivos. Permitindo um monitoramento em tempo real da movimentação destes dispositivos na área de cobertura dos módulos.

Uma tecnologia semelhante foi apresentada pelo advogado americano Brendam O’Connor na conferência de segurança Black Hat de 2013 nos Estados Unidos. O’Connor utilizou Raspberry PIs chamados de Creepy Dolls para captar dados de conexão Wi-Fi de dispositivos e triangular sua localização em pequenas áreas urbanas. O presente projeto visa utilizar o conceito desenvolvido por O’Connor, porém aplicalo a antenas de celular, que possuem um alcance e disseminação maior, permitindo maior área de cobertura e abrangência de dispositivos.

Seu objetivo é rastrear de forma reversível os dispositivos com capacidade GSM em áreas urbanas, para fins de Segurança Pública e controle de tráfego. Os dados submetidos no broadcast GSM se limitam ao MAC Address do dispositivo, sendo impossível determinar o usuário sem cruzar com os bancos de dados das operadoras de telefonia, o que garante a privacidade do sistema, mas também permite que a identidade seja verificada com as operadoras de telefonia em casos de ocorrência de crimes na região.

Parte-se da hipótese de que é possível rastrear dispositivos em massa em tempo real por um perímetro urbano significativo.

O projeto encontra-se em fase experimental, tendo sido realizados testes com Software Defined Radio para a captura e estudo dos pacotes de Broadcast GSM. Os próximos passos incluem testes com Raspberry PI e apuração de custos de desenvolvimento dos módulos físicos que integram a área de monitoramento. Também estuda-se a possibilidade de desenvolver módulos de pequeno alcance, para monitoramento dentro de ambientes fechados, como Shopping Centers e Supermercados.

Acesso livre à esta Conferência inicia em 2019-12-31.