Portal de Conferências da IMED, V Mostra de Trabalhos do V Congresso Internacional de Propriedade Intelectual, Gestão da Inovação e Desenvolvimento - “A

Tamanho da fonte: 
DIREITOS HUMANOS NA INTERNET: INFORMAÇÃO E CIDADANIA NAS REDES SOCIAIS
Rafaela Weber Mallmann, Vera Lucia Spacil Raddatz

Última alteração: 2017-05-03

Resumo


Problema de pesquisa e objetivos

Este trabalho tem como base resultados parciais (agosto a dezembro de 2016) do Projeto de Pesquisa Mídia e Sociedade: o direito à informação - subprojeto Direitos Humanos na Internet: informação e cidadania. O fio condutor da pesquisa e da análise são os direitos humanos na sociedade em rede, partindo do pressuposto de que o espaço virtual apresenta todas as condições para que se estabeleça a cultura da paz e dos direitos humanos, embora se reconheça todas as limitações que este mesmo universo representa. A partir da seleção das notícias que mais repercutiram nas mídias sociais, apresenta-se o panorama dos principais acontecimentos.

O objetivo consiste em compreender o papel dos meios de comunicação como mediadores do processo do direito à informação e da cidadania, identificar quais e de que forma as temáticas referentes aos direitos humanos estão presentes na mídia e analisar como as mídias tradicionais e sociais tratam este tema. Desse modo se estuda a relação existente entre os meios de comunicação, os direitos humanos e a cidadania.

A partir do surgimento da internet, o acesso aos conteúdos e conhecimentos produzidos está facilitado. A interação pelas tecnologias de informação e comunicação proporciona de forma rápida o acesso  e a conexão a um determinado assunto ou pessoa por meio de ferramentas virtuais: é a sociedade em rede (Castells, 2009) ou Cibercultura (Lévy, 1999) que é responsável por produzir novas relações e comportamentos.

Em relação ao conceito de direitos humanos, Bobbio (1992, p.17) considera que “direitos do homem são os que cabem ao homem enquanto homem”. Lucas (2013, p.23) explica que a “coexistência moral de todos os homens, independentemente do pertencimento a determinada condição histórico-cultural, deve orientar, de forma direta, a compreensão, também moral, dos direitos humanos”.

Metodologia

Trata-se de uma pesquisa de caráter qualitativo com levantamento e análise de conteúdo na internet, pesquisa documental e bibliográfica. Com a inserção da palavra “direitos humanos” nas redes sociais Facebook, e Twitter bem como a ferramenta de pesquisa Google, são selecionadas as informações e comentários acerca do assunto.

A partir desta seleção de notícias, é criada uma tabela por mês em que são colocados os assuntos mais comentados por categoria. Após a análise de todos os meses é feito um panorama geral com o resultado da pesquisa no ano de 2016. É mostrado na Tabela 1 como principais assuntos os inseridos em Violência (Agosto e Setembro), Gênero (Outubro), Política (Novembro) e Conflitos Internacionais (Dezembro). Em seguida é feita uma análise sobre a relevância de cada notícia buscando tratar de direitos humanos, cidadania, democracia e liberdade de expressão.

Tabela 1 – Resultados da pesquisa no ano de 2016

Conclusão

Com o resultado da pesquisa no ano de 2016, é possível perceber que as mídias digitais apesar de serem um local aberto e apropriado para as instâncias de participação dos sujeitos, ainda é um lugar de incomunicação e de intolerância à alteridade, indo de encontro ao direito humano à comunicação e à plena liberdade de expressão. Nas matérias coletadas, as maiores ocorrências correspondem a situações de violência e violação de direitos humanos, o que representa a necessidade da sociedade exercitar sua humanidade também pelos meios de comunicação.

Percebe-se que a violação dos direitos humanos se dá em âmbito internacional. Cabe à sociedade buscar a compreensão e a efetivação da garantia desses direitos, visto que contemplam o mínimo para uma vida digna. Nota-se a necessidade de se continuar investindo numa educação para os direitos humanos, considerando a democracia e a liberdade de expressão como princípios basilares para a garantia desses direitos.

 


Acesso livre à esta Conferência inicia em 2019-12-31.